sábado, 20 de junho de 2009

AINDA TEMOS PROFETAS

Pe. Paolino: 'Mesmo com saúde abalada eu farei Empate'
Oestadoacre.com
O vigário mais polêmico do Acre e envolvido completamente no socorro dos mais fracos está de novo às voltas na defesa dos seringueiros e posseiros de seringais do Iaco.
Padre Paolino Baldassari disse em entrevista exclusiva a oestadoacre.com que se o Instituto de Meio Ambiente do Acre [Imac] autorizar o Plano de Manejo nos seringais Campo Osório e Porongaba, ele e os moradores das localidades vão ressuscitar o Empate, ação de resistência contra a devastação das florestas que ficou mundialmente conhecida pelas mãos de Chico Mendes.
Nos próximos dias o Ibama concluirá os últimos estudos para enviar o projeto de Área de Conservação [as chamadas reservas] no Iaco e região para sanção pelo governo federal que, por praxe, só endossa a proposta se o governo local o fizer primeiro. Se os seringais dessas regiões forem alvos de manejo, como se propala nos quatros cantos de Sena Madureira, o decreto de consolidação da nova reserva legal estará ameaçado.
[Junho de 1997], casa do posseiro Brasilino:
-Queremos falar com o Pe Paolino.
-Quem são vocês? - indaga Brasilino que, naquele dia, hospedava em sua casa o vigário defensor da matas e florestas do Acre.
Paolino foi avisado que dois homens - 'mal encarados' e armados com armas de fogo - esperavam por ele na frente da casa de seu fiel escudeiro Brasilino. Paolino teve uma idéia:
-Não fui imediatamente conversar com os dois homens e pedi para um dos filhos de Brasilino convocar todos nas proximidades para uma novena na boca-da-noite. Reunimos dezenas de pessoas e fiz o que tinha de fazer. Rezei com os seringueiros e suas famílias. Na hora de dormir, Brasilino atou minha rede dentro do quarto dele para me proteger desses dois homens, que ficaram calados, mas observando toda a novena - contou Paolino ao oestadoacre.com.
-No outro dia, pela manhã, eles vieram conversar comigo e me chamaram de comunista, traidor, e que tinham mudado de igreja por conta das minhas posições e que eu deveria falar de Deus. Eu disse que eles é que não queriam saber de Deus porque tinha observado que eles não rezaram nada durante a novena da noite anterior - disse Paolino, mostrando toda a sua perspicácia para os momentos de iminente perigo.
Essa tem sido a vida de Pe Paolino, que afirmou à reportagem que não está com a saúde boa, mas que não irá tolerar que o seringal de suas primeiras batalhas, o Campo Osório, localizado no 'Médio Iaco', especialmente, seja entregue para empresas fazerem plano de manejo.
-Eu já mandei uma carta para o governador Binho (Marques) e dei uma cópia para o Anselmo (Forneck), do Ibama. Eu os avisei com antecedência. Estou escrevendo uma carta ao presidente Lula. Agora vem essa notícia de que o Imac autorizou o plano de manejo para esses seringais. Eu não vou aceitar - assevera Paolino da sua 'cadeira de macarrão' instalada na residência dele em Sena Madureira.
Voto de pobreza
As áreas dos seringais citados ainda vão gerar muitas notícias. Um dos seringais teria por muitos anos sido registrado em nome de uma freira de nome Adélia, que, morando no Rio de Janeiro, teria deixado um documento autorizando que as terras fossem repassadas para o nome de Pe Paolino. Por ter feito 'voto de pobreza' [não ter bens em seu nome], o velho padre não aceitou. E, não se sabe como, essas terras jáestão hoje sob o domínio das empresas que, em tese, vão levar adiante o tal plano de manejo.
-Até o Banco da Amazônia, à época me incentivou a ter essas terras em meu nome ou em nome da igreja, que seriam liberados recursos para isso e para aquilo - contou o sacerdote.
Paolino não sabe com precisão quem são as empresas que poderão explorar o potencial de mogno existente no Campo Osório. Mas fala sobre o alerta que recebeu do arcebispo de Porto Velho (RO), dom Moacyr Grechi.
-Dom Moacyr me disse que se a empresa Crocetta entrar no Acre as matas vão se acabar. Será o fim da floresta - relatou Paolino.
Ibama e Imac: opiniões divergentes
Ouvidos pela reportagem de oestadoacre.com, os dois institutos responsáveis pela fiscalização ambiental têm opiniões diferentes: o Ibama apóia a preservação dos seringais Campo Osório e Porongaba. Nessas regiões moram pelo menos 70 famílias. O gerente regional, Anselmo Forneck, instado a falar sobre uma possível autorização do Imac do plano de manejo desses seringais, foi categórico:
-Seria um equívoco. Onde moram populações tradicionais a lei não permite plano de exploração de madeira.
A dirigente do Imac, Cleísa Cartaxo, disse a oestadoacre.com, no primeiro contato, que não lembrava se nessas áreas o Imac havia concedido autorização para manejo. No segundo contato garantiu que não há autorização para exploração no Campo Osório e no Porongaba.
-Não há autorização do Imac para esses seringais. Mas se houver, as pessoas que vivem lá serão indenizadas - garantiu.
Indenização que não sensibiliza nem arrefece os ânimos de Pe Paolino em utilizar novamente o instrumento mais poderoso dos seringueiros do Acre contra os predadores do ambiente: o Empate.

Fonte: Biblioteca da Floresta


Postar um comentário