quinta-feira, 11 de junho de 2009

OLHARES...

O sorriso da índia ashaninka é mais uma imagem do Acre e seus infinitos rostos. Singelo, espelha a diversidade étnica de um Estado que se transforma a cada dia num admirável processo de evolução. (Foto: Sérgio Vale/Secom)

O pequeno índio Ashaninka vive a tranqüilidade do lugar onde habita seu povo. Ainda criança aprende os costumes e valores vividos e cultivados por seu povo, afinal, ele é um dos responsáveis em levar adiante os ensinamentos dos mais velhos. (Foto: Sérgio Vale/Secom)

A beleza está nos pequenos detalhes. A casa de madeira simples, pintada de azul, e porta vermelha, ganha um toque especial com o jardim florido na frente. (Gleilson Miranda/Secom)

O beija-for é a única ave capaz de permanecer imóvel no ar. O batimento de suas asas é muito rápido – chega de 70 a 80 vezes por segundo. Isso para mantê-lo no ar, já que as patas dessa espécie são pequenas demais para caminhar sobre o solo. O nome faz referência ao seu trabalho de polinização. No registro de Sérgio Vale, o beija-flor passeia pelas flores do jardim do Parque do Tucumã. (Foto: Sérgio Vale/Secom)

A cortina de orvalho que chega junto com o sol anuncia que a noite se foi e que ali, naquele lugar, a vida como o rio corre sem pressa. O céu brinca com as cores antes de anunciar definitivamente o novo dia (Foto: Sergio Vale/Secom)

 
P.S. A Agência de Notícias do Acre tem belíssimas imagens, de onde estas acima foram retiradas, vale a pena conferir.


3 comentários:

Sonia Schmorantz disse...

Amigos são poemas…
Os verdadeiros amigos são a poesia da vida.
Eles enchem nossos dias de cores, rimas e risos,
nos seguram a mão quando caminhar parece difícil.
Mostram que mesmo em dias nublados o sol está no mesmo lugar,
e nos ensinam que a chuva pode ser uma canção de ninar
nas noites solitárias e vazias.

Um abraço em mais este final de semana, que tudo lhe
Seja bom...

ANCHIETA BATISTA disse...

Meu caro Isaac,

Que beleza!
Você fez um quadro ampliado de poesia: - As fotos e as palavras!
Parabéns!
Onde o orvalho da poesia não refrigera a existência, também não conseguimos ver nem sentir, num simples detalhe, a plenitude da vida.
Olha, amigo... A Sônia, que comentou antes de mim, declarou verdades muito contudentes, mas aparentemente imperceptíveis. Tem muita alma, revelada num jeito simples de dizer as coisas. Isso está agora muito escasso. Na realidade o que tem valido nos dias atuais é somente o que chamo de "realidade aparente".

Parabéns para você e para ela.

Um abraço.

Anchieta

ANCHIETA BATISTA disse...

(Errata)
... contundentes., ...

Anchieta