quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

O SOL DE CADA UM

O sol é o mesmo em todo lugar. O que o torna diferente é a maneira como cada um o enxerga. Não há poesia mais bela que um pôr-do-sol, escrita por Deus por sobre as copas das árvores ou por sobre as curvas das montanhas, e declamada no canto suave dos pássaros que vão repousar ao abrigo do horizonte.
Oferto aos amigo/as esta poesia em imagens do pôr-do-sol da pacata e bela cidade de Palmas de Monte Alto (Bahia), meu novo lar. São imagens captadas por lentes de fotográfica simples, por mim feitas, na qual luz e emoção são apreendidas!









"É morno o pôr-do-sol no cerne dos queixumes,
Qual jato de água curvo ao vento, é todo ocioso,
Em mim, o entardecer, fingido e vagaroso,
Brota, descendo sobre os reflexos negrumes."
                                                                   
                                                               Fernando Pessoa
Postar um comentário