segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

FICÇÕES DE INTERLÚDIO - Alberto Caeiro

XVI

Quem me dera que a minha vida fosse um carro de bois
Que vem a chiar, manhãzinha cedo, pela estrada,
E que para de onde veio volta depois
Quase à noitinha pela mesma estrada.

Eu não tinha que ter esperanças – tinha só que ter rodas...
A minha velhice não tinha rugas nem cabelo branco...
Quando eu já não servia, tiravam-me as rodas
E eu ficava virado e partido no fundo de um barranco.
XVIII

Quem me dera que eu fosse o pó da estrada
E que os pés dos pobres me estivessem pisando...

Quem me dera que eu fosse os rios que correm
E que as lavdeiras estivessem à minha beira...

Quem me dera que eu fosse os choupos à margem do rio
E tivesse só o céu por cima e a água por baixo...

Quem me dera que eu fosse o burro do moleiro
E que ele me batesse e me estimasse...

Antes isso que ser o que atravessa a vida
Olhando para trás de si e tendo pena...

---

PESSOA, Fernando. Obra Poética. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1992. p. 214/5
Imagens: (1) Flickr Cores da Terra
                 (2) Lavadeiras nas margens do rio Touques, 1890, de Eugène Boudin
Postar um comentário