segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

TEMPO E TEMPORALIDADE

Profª. Inês Lacerda Araújo*
Filosofia de Todo Dia 


A maioria dos filósofos se debruçou sobre esse intrigante e essencial problema: o que é o tempo?

Passagem, movimento, eterno, infinito, retorno, progresso, mudança são conceitos que acompanham o de tempo e ajudam a entender melhor o que é, como é o tempo.

Aristóteles o define como "medida do movimento segundo o antes e o depois", quer dizer, um movimento qualquer de um corpo no espaço se inicia, pode ser observado e calculado, e depois cessa. Essa possibilidade de medir o movimento, é o tempo. Prático, sem dúvida, mas não responde a alguns nossos anseios, digamos, metafísicos.

Para Sto Agostinho há apenas o presente, o passado já não conta (pois passou) e o futuro ainda não chegou. Mas como o presente se esvai, os momentos são todos passageiros, o que resta?

Ciclos de evolução de todas as coisas e a mudança levam a discussão para a história. História do universo, sem começo e sem fim, infinito, em expansão constante (será?); história do planeta Terra, que antropólogos e biólogos pesquisam e que se inscreve nas evidências arqueológicas; história dos feitos da humanidade, escrita em documentos, transmitida nas diversas culturas, linguagens, hábitos e mitos; e tempo existencial, o do nascimento, vida e morte.

A vivência no tempo, é também a vivência do tempo.

Explico: "Estou sem tempo", "Se apresse", "Ainda há tempo", "É cedo", "Tarde demais", "Tempo esgotado","Chegou a hora", estamos imersos e dependentes do tempo, tempo como sucessão cronológica, medida pelo relógio e pelo calendário. Mal nasce e a criança é mergulhada em escalas, e de adapta aos ciclos de fome e sede, dia e noite, cedo, tarde, agora, nunca. Além disso, nossas vidas se estendem na temporalidade, no tempo existencial, aquele que não é medido. Fugir do tempo em uma suposta eternidade, é impossível.

Daí a conclusão de Heidegger, filósofo alemão cuja obra mais conhecida é "Ser e Tempo" (1927): o ser humano é ser no tempo, isso define nossa essência. Os filósofos antigos pensavam o tempo como exterior ao homem, Heidegger pensa o tempo como integrante da existência. O dom dos homens é o de se dar como presença. Traduzindo: podemos "agarrar" nosso ser exatamente no momento em nos percebemos como dádiva da temporalidade.

Não há férias do tempo, ele só pode parar, em certo sentido, pela repetição, pela memória, e mesmo quando se preserva o passado, ele se desgasta. REviver o passado, só se o fizermos no presente. Transitamos pelo caminho deixado pela memória e dependemos de nossos pro-jetos para o futuro. Talvez por isso a perda da memória seja o mesmo que a perda de nosso ser humano, ser no tempo. Talvez por isso DESesperar seja perder a capacidade de esperar, de confiar. 

Sujeitados ao tempo, ele revela nossa fragilidade. 

---

* INÊS LACERDA ARAÚJO - filósofa, escritora e doutora em Estudos Linguísticos.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

O ACRE MAQUIADO - Isaac Melo


Quem chega a Rio Branco depara-se, em diversos pontos da cidade, com inúmeros outdoors com os seguintes dizeres: “Acre: o melhor lugar para se viver”. E mostra gente sorridente, policiais bem fardados, estradas asfaltadas, crianças em frente a computadores... E de fato percebe-se mudanças, enxerga-se melhorias. Todavia, estas estão muito distantes do Acre tal como ele é.

O Acre ultimamente está como uma mulher toda perfumada e bem maquiada que sai para uma festa. Dança a vontade. Só que antes de terminar a festa, o perfume já venceu e a maquiagem está borrada. A linda carruagem virou jerimum.

O governo acreano nesses últimos doze anos obteve significativas mudanças, e para melhor. Porém precisa parar com essa prepotência de achar que o Acre se tornou Acre a partir de suas gestões, e de criar protótipos de pseudo-políticas que parecem ser insuperáveis e inquestionáveis. Ora, o atual jogo de marketing do governo quer passar uma imagem, ao generalizar, a partir de algumas melhorias e, por cima, de pontos isolados, de que todo o Acre tornou-se um canteiro de obras só. Mas quem não vive sob as rédeas ou das benesses do governo ou é capaz de ir além dos próprios interesses sabe dos reais e sérios problemas que o Estado vive. Mesmo que estes estejam maquiados e camuflados em pseudo-progressos.

Contraditoriamente, por exemplo, viajar internamente no melhor lugar para se viver não é apenas um grande desafio, mas um serviço de alto custo e de regular qualidade, sobretudo, no que diz respeito aos táxi-aéreos e o abusivo custo das passagens. As estradas ainda são um sonho que duram pouco mais de três meses. O sistema público de saúde está mais doente do que os doentes. As técnicas agrícolas do Acre são as mesmas de cem anos atrás, o incentivo aos pequenos agricultores é praticamente nulo. Universidades são escassas, incapaz de atender a demanda de alunos, quando não, de regular qualidade...

O governo acreano faria mais se em vez de ficar enfeitando a história, encarasse a situação sem idealizações e romantizações. Falar sim dos progressos que obteve, das conquistas que alcançou, mas sem precisar recorrer a esses discursos ideológicos sensacionalistas e a esses chavões deprimentes.

Sou acreano e não me sinto inferior a nenhum outro brasileiro, seja de onde for e porque qual razão for. A leitura atual que faço do Acre, longe de ser menosprezo, é antes sinal de amor e do meu orgulho por ser acreano. Só não posso concordar com governos que querem a todo custo vender a imagem de um Acre idealizado, causando, de certa forma, neutralidade ou negligência a certos problemas que urgem soluções imediatas. Vivemos sim numa terra bonita por natureza, de povo tenaz, de história marcante, porém, de governos aloprados.

A bem da verdade o Acre, a meu ver, continua ainda a ser um dos piores lugares para se viver, (em termos de infraestrutura e serviços) embora tenhamos uma Sherazade, com suas mil e uma histórias, a nos ludibriar a cada noite...

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

O DESEJO POR IMORTALIDADE

Profª. Inês Lacerda Araújo*
FILOSOFIA DE TODO DIA 


Desde tempos imemoriais, quando os homens se descobriram mortais, negar a morte, prolongar a vida, preservar corpos, cultuar os mortos por meio de túmulos, pirâmides, monumentos, oferecer sacrifícios, enfim, tentar de alguma forma ser imortal - esse tem sido o desejo maior das pobres e mortais criaturas... 

A literatura e a filosofia, entretanto, com seu poder de abstração, de reflexão e de imaginação, ensaiam como seria a realização desse desejo em personagens e obras. 

Simone de Beauvoir Em Todos os Homens são Mortais (1946), descreve o drama de um personagem imortal, que, pasmem, é infeliz com essa condição. O efeito mais drástico, é o da solidão.

Jorge Luis Borges no conto O Imortal, relata a vida de um soldado da época de Diocleciano, que ouvira falar do Rio da Imortalidade e sai em busca desse rio. Para essa empreitada recruta soldados e mercenários, que, uns após os outros, morrem. Após dias de busca solitária, e de uma noite de pesadelo, acorda com sede e bebe de um arroio. Ele chegara a um país estranho, de trogloditas que moravam em cavernas. Ao fundo há uma cidade abandonada. Penetra em um palácio cuja "arquitetura carecia de fim", escadas que levam a lugar algum, sem simetria, sem serventia.

Acontece que os trogloditas eram imortais, e aquela cidade foi sua última obra, depois a vida deles se tansformou numa espécie de letargia, de volta sem fim, de ensimesmamento. Nada faz sentido, nada tem valor. Sofrer sede e fome, e nem assim precisar de alívio. A imortalidade os condenou à indiferença, não há mérito, não há vício nem virtude. O que não significa estarem eles para além de bem e mal, nem poderiam ser confundidos com ascetas do deserto, pois viver absorvidos em seu pensamento, era seu único consolo.

O soldado vai embora da cidade, sai em busca de um rio que lhe devolva a mortalidade, a humanidade, o desejo, o prazer, a dor. Séculos depois, sabe que os encontrou quando se percebe ferido, sangra, sente dor.

Morrerá...

E hoje? Cirurgia plástica para rejuvenecer, botox, academia, vitaminas, bailes de terceira idade, namorar, pílulas azuis -, são recursos alardeados por governos e pela indústria da saúde. É preciso a todo custo buscar a juventude, negar a morte, sob o pretexto de ser saudável. Amar se transformou em vitalidade sexual. O prazer de uma caminhada se transformou em passos medidos e avaliados pela eficácia. O que faz mal, o que faz bem: a vida transposta para essas duas colunas do que fazer (para não morrer!?).

Cultivar o sossego, a paz de espírito, o despreendimento, a sabedoria dos que se sabem mortais, aceitam essa condição, e dela usufruem, agora é visto como esquisitice.

Interessante essa "evolução" que passou da preservação de cadáveres, múmias com direito à vida eterna, às quase múmias plastificadas nos centros de estética. Incrível que estética tenha também sofrido uma mutação, passou de busca do belo, à busca de beleza à custa de bisturi, agulhas e picadas.

Quase ia esquecendo: a moda dos vampiros, glamorização e tragédia se juntam em mais um espetáculo sobre a vida eterna, que, aliás, vende muito bem! 

--- 

* INÊS LACERDA ARAÚJO - filósofa, escritora e doutora em Estudos Linguísticos. 

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

PARA VERDES CAVALEIROS - Clodomir Monteiro


Cavaleiro galopa letra amansa
de verdes ver atol da esperança
ao ver brilhar no céu planeta vênus
madruga e dança belo Peter Pança

vai galopando a palavra vesgo
na noite circulando sonho alcança
jamais denota esmos em si mesmos
amadurece a sazão da infância

coração trota esperando o mote
que escreveu e conviveu com simpleces
o seu chicote acalma Don Quixote
ao ler Machado pega sua acha

mas conta o conto do cavalo obeso
por ter comido e soletrado os príncipes
e a gulodice deixou ventre preso
ficou rodando de cabeça baixa

agora trota ao largo do meu passo
cavalga coração não quer cabresto
é como é, e não aperto o laço,
não se perde nem eu enfarto o texto

---

* Clodomir Monteiro é um dos maiores nomes da poesia acreana. Atualmente presidente da Academia Acreana de Letras.
** Poesia publicada originalmente em O QUARTO LADO DA VIDA, do próprio poeta.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

SOBRE ETs E BACTÉRIAS GULOSAS

Profª. Inês Lacerda Araújo


Semana passada foi noticiado amplamente e com certo estardalhaço, que cientistas da Nasa fizeram uma descoberta extraordinária. Um tipo de bactéria retirada de um lago supersalgado, o lago Mono, situado na California, quando "alimentada", digamos assim, por arsênico, elemento próximo do fósforo e letal, ao invés de morrer, sobreviveu.

Talvez não fosse uma bactéria com tendências suicidas!

Ironia à parte, esse experimento levou a uma conclusão no mínimo curiosa. A de que a vida pode sobreviver em condições que nunca antes foram observadas. Apenas certos elementos químicos são responsáveis pela vida, tal como a conhecemos: oxigênio, hidrogênio, carbono, fósforo, enxofre, nitrogênio. O arsênico, substituindo o fósforo na composição química daquela bactéria, fez pensar que há vida tal como não a conhecemos.

Há duas premissas no raciocínio, que são corretas:

- Vida se compõe de 6 elementos químicos, invariavelmente.

- Ora, uma bactéria sobreviveu com um elemento químico diverso, arsênico.

Mas a conclusão não se depreende dessas premissas:

- Logo, há outras formas de vida no universo.

E essa conclusão foi proclamada como prova de que há vida, de que há sim ETs!

Mas atenção, vida como nós a conhecemos não significa que vida como não a conhecemos seja a prova da existência de seres extraterrestres.

Apenas amplia as possibilidades de formas elementares de seres vivos deste planeta, a Terra.

Condições para haver vida em outros planetas, na infinidade e na misteriosa expansão do universo, pode-se tanto apostar que sim, como que não!

Em geral quem defende a hipótese de vida fora da Terra, entende que se trata da vida inteligente, o que é, no mínimo uma extrapolação, uma projeção, a meu ver absurda, de nossas formas de vida.

A diferença estaria na cor, esverdeada; nas orelhas, pontudas; nos dedos, finos e compridos; nas cabeças, cônicas, etc. Mas pensam e falam!

É sempre uma projeção esquisita de nossas espécies, em particular a humana, mas também de alguns animais, como leões, formigas, cães e gatos... Não me lembro de nenhum filme de ficção que em que a criatura de outro planeta seja semelhante a hipopótamo, acho que eles são já estranhos demais para nós mesmos.

Enfim, o que a ciência pode demonstrar depende de pesquisa, de teorias, de hipóteses. Nossa atual teoria é a darwiniana, da evolução. Para haver evolução várias condições concorreram, muitas aleatórias, gerações surgiram, outras desapareceram, o ambiente foi ora hostil, ora propício.

De modo que dificilmente essas mesmas condições se dariam fora de nosso planeta a ponto de surgir vida, mesmo a da bactéria "gulosa", como a do lago salgado.

Além disso, há nosso modo único, humano, de criar, de se comunicar, de usar um vocabulário e conceitos, de haver um tipo de cultura investigadora, como é a cultura ocidental, desde há alguns séculos. Exemplo, a própria Química, com suas descobertas, leis, teorias, experimentos.

É tudo humano. É humana também essa noção de expandir a curiosidade para outros mundos, de imaginar que há seres inteligentes, mas inteligência é mais um desses modos pelos quais caracterizamos e atribuimos, a nós mesmos, certas capacidades.

Essa é uma posição cética, dirão alguns. Melhor assim... Mas se alguém quiser apostar em crenças ingênuas, até mesmo muito divertidas, o melhor mesmo é o Et de Varginha...

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

ACRE - Daniella Paula Oliveira


Fui sentindo o seu perfume ainda no céu
Percebendo o tempo se modificando
A vida em contraponto
O vento úmido, a argila fresca.
Esperei o dia clarear para ver a sua cor
Marrom e verde. Furta cor.
Longe dali, os mandarins e as suas redes.
Longe do seu significado áspero
Lá estava um Acre mágico.
Pequeno, sutil, singelo, delicado e forte...
Como convém aos do Norte.

Sob a sua pele, as digitais feridas
Da guerra para ser brasileiro
Das suas diversas vidas.
Seu rio se escalda castanho
Banhando em águas amarelas
Suas molduras pitorescas, seus cantos e janelas.
Sua floresta o come noite e dia
E o alimenta de melodia silenciosa
Por causa dela, o Acre é silêncio.
Motim só no relento, quando o pranto dos noturnos se faz atento.

Tem flores de lótus no ar
E nos permite um ébrio sagrado, que só lá pode causar.
Suas praças lhanas, seu remelexo meio havana.
Sua singularidade nesse mundo descompassado e análogo
Se o tempo é imediato, lá é a vertigem do tempo.
É lá onde os deuses buscam seus passatempos

O Acre tem o sono da Jurema
A gargalhada do caboclo
Os segredos das matas
Os cabelos desarrumados dos rios
O sangue branco das árvores
As almas pintadas de urucum
Índio, seringueiro, brasileiro, todos e nenhum.

Nas suas veias fulvas correm a boa utopia
Em seu povo a regalia de te pertencer
Em sua coragem a predestinação em vencer.
Na sua modernidade, a sustentabilidade
Na sua fé a ayahuaska, a conceição, a rainha, o xamã, a miração.
No seu som os maracás, tambores, choros de bichos, brigas de folhas, cantos de amores, acordes de violão.

Acre de igarapés e pajés
Tacacás e maracás
Oxóssis, oxuns e nanãs...
Escuridão e claras manhãs.
Garoas frívolas e chuvas torrenciais
Tribos e matagais
Kaxinawás, Ashaninkas, Yawanawás; Amazônia, tapajós.*
Também quero a minha coroa de cipós.
Meu Rio, Branco – Meu Verde, Floresta
Viço de ervas, canto e seresta.

---

P.S. Poema originalmente publicado em MANDALAS DA FLORESTA, da artista plástica Simone Bichara.
* Foto: Sérgio Vale

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

O SUOR E A LÁGRIMA

Carlos Heitor Cony


Fazia calor no Rio, 40 graus e qualquer coisa, quase 41. No dia seguinte, os jornais diriam que fora o mais quente deste verão que inaugura o século e o milênio. Cheguei ao Santos Dumont, o vôo estava atrasado, decidi engraxar os sapatos. Pelo menos aqui no Rio, são raros esses engraxates, só existem nos aeroportos e em poucos lugares avulsos.

Sentei-me naquela espécie de cadeira canônica, de coro de abadia pobre, que também pode parecer o trono de um rei desolado de um reino desolante.

O engraxate era gordo e estava com calor — o que me pareceu óbvio. Elogiou meus sapatos, cromo italiano, fabricante ilustre, os Rosseti. Uso-o pouco, em parte para poupá-lo, em parte porque quando posso estou sempre de tênis.

Ofereceu-me o jornal que eu já havia lido e começou seu ofício. Meio careca, o suor encharcou-lhe a testa e a calva. Pegou aquele paninho que dá brilho final nos sapatos e com ele enxugou o próprio suor, que era abundante.

Com o mesmo pano, executou com maestria aqueles movimentos rápidos em torno da biqueira, mas a todo instante o usava para enxugar-se — caso contrário, o suor inundaria o meu cromo italiano.

E foi assim que a testa e a calva do valente filho do povo ficaram manchadas de graxa e o meu sapato adquiriu um brilho de espelho à custa do suor alheio. Nunca tive sapatos tão brilhantes, tão dignamente suados.

Na hora de pagar, alegando não ter nota menor, deixei-lhe um troco generoso. Ele me olhou espantado, retribuiu a gorjeta me desejando em dobro tudo o que eu viesse a precisar nos restos dos meus dias.

Saí daquela cadeira com um baita sentimento de culpa. Que diabo, meus sapatos não estavam tão sujos assim, por míseros tostões, fizera um filho do povo suar para ganhar seu pão. Olhei meus sapatos e tive vergonha daquele brilho humano, salgado como lágrima.


* O texto acima foi publicado no jornal “Folha de São Paulo”, edição de 19/02/2001, e faz parte do livro “Figuras do Brasil – 80 autores em 80 anos de Folha”, Publifolhas – São Paulo, 2001, pág. 319, organização de Arthur Nestrovski.
** Crônica retirada do site RELEITURAS.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

A BAHIA EM MIM

“Um dia faz muito tempo, muito tempo – achei que era imperativo fazer um poema sobre a Bahia, mãe de nós todos, amante crespa de nós todos. Mas eu nunca tinha visto, sentido, pisado, dormido, amado a Bahia”. Agora posso fazer meu poema, como sugere os versos de Drummond, já que por quase um ano vi, sentir, pisei, dormir e amei a Bahia.

À Bahia havia chegado dia 03 de fevereiro e aos 29 de novembro a deixava. Esse tempo passei na tranquila e bela Palmas de Monte Alto, cidade com pouco mais de 21 mil habitantes, aos pés da serra de mesmo nome, em pleno sertão, a sudoeste do Estado, próximo à divisa com Minas. Não fui cumprir apenas uma etapa da minha formação para o sacerdócio católico, mas porque sentia sede de está com o povo e do seu olhar, pois os olhos humanos revelam a beleza do coração e a pureza da fé.
JUVENTUDE: Estive em muitos momentos com a juventude, em diversas cidades e em variadas atividades. Assessorei tanto a juventude de Palmas de Monte Alto, quanto o Zonal 09 composto pela juventude das cidades de Malhada, Sebastião Laranjeiras e Iuiu, que integram a Diocese de Caetité.
PASTORAL DA JUVENTUDE: Na Diocese de Caetité, pude participar dos principais momentos da Pastoral da Juventude, como os encontros de formação e planejamento, e o Dia Nacional da Juventude, em fins de outubro em Caetité. Sou muito grato aos inúmeros amigo/as que aí fiz!
JUVENTUDE DO SERTÃO: Percorri inúmeras comunidades rurais e me encontrei com muitos jovens, para encontro de formação e partilha de saberes. Ora conscientizando-os, ora eles a me conscientizar.
O que vi e encontrei foi uma juventude motivada, procurando se organizar para melhor ocupar seu lugar na sociedade.
“Fica sempre um pouco de perfume nas mãos de quem oferece rosas”, é a impressão com que fico dos meus amigos jovens da Bahia.
A equipe com quem pude contar durante todo o ano: Leo, Vanessa, Sandro, Núbia, Ercília, Gilmar e esposa Vanessa, José aparecido (Cidinho) e Aline.
ESCOLAS: Também fui às escolas, aqui na Alarico Fraga.
COMUNIDADES RURAIS: estive em mais de 36 comunidades rurais, conhecendo e partilhando saberes. Ora a pé ou de moto, ora de charrete ou de carro. Tenho um fascínio e uma admiração tremenda pelos nossos líderes e animadore/as. Gente de profunda fé e muita sabedoria.
Aqui na casa do seu Élson, em uma das missões em que estive, em Caraíbas do Romão.
As famílias sempre me receberam com muita alegria. Gente simples, de um coração generoso e hospitaleiro.
Dona Anália e seu Francisco. Estive dois dias maravilhosos na casa deles em Lagoa de Canudo. Dona Anália é uma mulher de fibra, de profunda fé, uma santa dos nossos dias. Alguém que estará sempre presente em minha memória.
As mulheres estão à frente de nossas principais comunidades, animando e evangelizando.
Daria um livro, creio, fosse narrar meus dias na Bahia, as tantas pessoas que encontrei, os diversos amigo/as que fiz, as inúmeras cidades por onde passei, enfim... Minhas palavras são de gratidão por tudo o que os baianos me proporcionaram. Uma experiência bela, porque inesquecível. Inesquecível, porque verdadeira! Fica meu abraço e meu amor ao povo baiano. E faço das palavras de Drummond as minhas:
A Bahia ficou sendo para mim
poema natural
respirável
bebível
comível
sem necessidade de fonemas.

sábado, 4 de dezembro de 2010

HINO A PALMAS DE MONTE ALTO - BA


HINO A PALMAS DE MONTE ALTO
Gildete Alcântara Rocha


Em Palmas de Monte Alto
Cidade linda e hospitaleira
Vive um povo patriota
Glória da nação brasileira.

Exaltando o teu nome
Num momento de inspiração
Oh, Palmas de Monte Alto!
Eu te dou meu coração.

As palmas dos teus coqueiros
São lindas mãos em oração
A bravura da ventania
É a graça do sertão.

Os filhos desta cidade
São dotados de boa voz
São gentis e caprichosos
Grandes, fortes como heróis.

Espiritualizando
Os esforços dos teus filhos
Lá do alto da colina
Maria abençoa os teus filhos.

---

P.S. Por enquanto essa é a minha homenagem ao povo baiano de Palmas de Monte Alto, que me acolheu nesse ano de 2010. Obrigado povo lindo, povo maravilhoso! Espero, um dia, voltar novamente a morar nesse chão sagrado do sertão!
Isaac Melo
Belo Horizonte - MG

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

VAMOS ACABAR COM ESTA FOLGA

Stanislaw Ponte Preta


O negócio aconteceu num café. Tinha uma porção de sujeitos, sentados nesse café, tomando umas e outras. Havia brasileiros, portugueses, franceses, argelinos, alemães, o diabo.

De repente, um alemão forte pra cachorro levantou e gritou que não via homem pra ele ali dentro. Houve a surpresa inicial, motivada pela provocação, e logo um turco, tão forte como o alemão, levantou-se de lá e perguntou:

– Isso é comigo?

– Pode ser com você também – respondeu o alemão.

Aí então o turco avançou para o alemão e levou uma traulitada tão segura que caiu no chão. Vai daí o alemão repetiu que não havia homem ali dentro pra ele. Queimou-se então um português que era maior ainda do que o turco. Queimou-se e não conversou. Partiu para cima do alemão e não teve outra sorte. Levou um murro debaixo dos queixos e caiu sem sentidos.

O alemão limpou as mãos, deu mais um gole no chope e fez ver os presentes que o que dizia era certo. Não havia homem para ele ali naquele café. Levantou-se então um inglês troncudo pra cachorro e também entrou bem. E depois do inglês foi a vez do francês, depois um norueguês etc. etc. Até que, lá do canto do café, levantou-se um brasileiro magrinho, cheio de picardia, para perguntar, como os outros:

– Isso é comigo?

O alemão voltou a dizer que podia ser. Então o brasileiro deu um sorriso cheio de bossa e veio vindo gingando assim pro lado do alemão. Parou perto, balançou o corpo e... PIMBA! O alemão deu-lhe uma porrada na cabeça com tanta força que quase desmonta o brasileiro.

Como, minha senhora? Qual o fim da história? Pois a história termina aí, madame. Termina aí que é pros brasileiros perderem essa mania de pisar macio e pensar que são mais malandros do que os outros.


*
Stanislaw Ponte Preta, pseudônimo literário de Sérgio Porto (1923-1968), foi um dos melhores cronistas brasileiros. Talentoso e irreverente, compôs, através de seus textos, um painel crítico e bem humorado da realidade brasileira.
*

PRETA, Stanislaw Ponte. Dois amigos e um chato. São Paulo: Ed. Moderna, 1986.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

SE ESTIVER EM RIO BRANCO, RECOMENDO...

EXPOSIÇÃO MANDALAS DA FLORESTA
A artista plástica acreana, Simone Bichara, realiza sua próxima exposição na Procuradoria Geral do Estado do Acre, do dia 02 a 10 de dezembro de 2010. Essa é a quarta exposição de Simone esse ano. Duas em Brasília e uma no Rio de Janeiro. Para essa exposição são 25 obras pintadas com tinta acrílica e nankin sobre madeira reciclada, e 6 obras impressas a laser sobre papel fotográfico.
Mais informações no blog da artista: MANDALAS DA FLORESTA.

JUVENTUDE DO SERTÃO

JUVENTUDE DO SERTÃO:
celebrando a vida e abraçando a missão
em marcha contra a violência.
“Se a Juventude viesse a faltar o rosto de Deus iria mudar”

Nós, juventude, católica e organizada, militantes da Pastoral da Juventude durante todo este ano elegemos como prioridade, para discussão e ação, a questão da violência, que mesmo aqui, em pleno sertão baiano, continua a fazer suas vítimas. O grande desafio é possibilitar que a juventude rompa com essa condição de mero espectador dos fatos e da vida e se torne agente de transformação, protagonistas de sua história, de sua fé e de seu país. Somente uma juventude organizada será uma juventude verdadeiramente livre, para sonhar, amar e transformar a história.

Por isso, no domingo dia 21 de Novembro a Pastoral da Juventude de Palmas de Monte Alto realizou o último grande encontro da juventude, que reuniu aproximadamente 250 jovens das quatro cidades que compõem nosso zonal 09: Palmas de Monte Alto, Sebastião Laranjeiras, Malhada e Iuiu, além da presença de alguns jovens da cidade de Caetité, sede de nossa diocese.

As atividades começaram com a celebração da santa missa na Igreja do Divino Espírito Santo. Em seguida a juventude saiu em marcha contra a violência pelas ruas da cidade até o local do encontro. Na Associação Beneficente Clube de Mães aconteceram as diversas apresentações culturais, entre danças, teatro e muita música, até as 16 horas, quando se encerrou o encontro.

Nossos agradecimentos a todos aquele/a/s que contribuiram direto ou indiretamente e assim nos possibilitaram realizar um evento dessa proporção. E nosso agradecimento especial a Juventude de Palmas de Monte Alto que organizou o encontro, entre eles, meu muito obrigado a equipe que tanto se empenhou: Gilmar Santana, José Aparecido, Sandro Ribeiro, Núbia de Cássia, Aline Laranjeira, Léo Xavier e Vanessa.

---   -    ---

Algumas imagens do encontro:
A Juventude saiu em caminhada contra a violência.
A missa foi presidida pelo assessor diocesano da PJ Pe. João Sá, concelebrada pelo pároco de Monte Alto Pe. Patrick, e Pe. Lolesio de Sebastião Laranjeiras.
Ofertório!
Composição da Mesa: Secretária diocesana da PJ Rosângela Aguiar, assessor diocesano Pe. João Sá, coordenador do Zonal 09 Joaquim, além dos coordenadores: Raylse de Sebastião Laranjeiras, Ir. Francilda de Iuiu, Cláudio Guedes de Malhada e Sandro Ribeiro de P. de M. Alto.
Música e animação com os jovens cantores Léo da cidade de Malhada e Léo Xavier de Monte Alto.
Dramatização teatral e musical da Juventude de Malhada.
Dramatização teatral da Juventude de Rancho das Mães.
video
Apresentação teatral de Malhada & dança das jovens de Monte Alto.
Apresentação musical Juventude de Rancho das Mães. 
Juventude animada!
Tivemos boa participação da juventude. 
Jovens de Monte Alto numa dança acerca do corte de cana.
Encenações.
Hora do rango!


*
"Somente uma juventude organizada será uma juventude verdadeiramente livre, para sonhar, amar e transformar a história".

*

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

DO BANAL AO EXTRAORDINÁRIO

Profª. Inês Lacerda Araújo


Revi na TV um filme de Woody Allen Igual a tudo na vida (2003), que os críticos classificaram como repetitivo e fraco. Os comentários na internet são em sua maioria também desfavoráveis, filme sem graça, não diverte, não acrescenta nada à filmografia do cineasta.

David Dobel é professor (personagem de Allen) que aconselha Jerry Falk (personagem de Jason Biggs). Acho que o filme reconduz a perplexidade diante da questão maior ou da dúvida maior, à perplexidade diante do menor de nossos atos e das situações que enfrentamos.

Como entender as questões mais cruciais que incomodam e deixam perplexos aqueles que filosofam, que refletem um pouquinho que seja sobre o sentido das coisas, da vida, de ser, de tudo ser? O mistério que nos assombra, como tudo veio a ser, há uma causa mais geral para tudo, pergunta o professor Dobel.

Ao mesmo tempo a vida segue, é preciso ter uma profissão, amar alguém, ser bem-sucedido, enfrentar o dia a dia de uma grande cidade, trânsito, onde estacionar (em uma cena muito engraçada o professor disputa uma vaga para seu carro conversível e perde a vaga), em outras cenas critica o aconselhamento psicanalítico (o psicanalista só ouve e cobra, caro, certamente...), pessoas fracassam, pessoas não sabem o que fazer com seus destinos, bebem, se drogam.

É um motorista de taxi que usa a expressão, "like anything else" para se referir a que tudo na vida é assim mesmo, banal e, ao mesmo tempo complicado.

Perguntar pela origem ou causa de tudo, a pergunta filosófica mais intrigante, mais antiga, mais extraordinária, pode e deve ser levada ao ordinário, ao dia a dia, o que faz sentido fazer, qual lance de nossa vida marca, decide?

E o inverso, se você parar para pensar, verá que o cotidiano é incrível, é extraordinário. Embutida, imersa e escondida em cada detalhe e em cada ato, "a insustentável leveza do ser", como se expressa Kundera.

As respostas na história da humanidade tomaram rumos e consequências: religiões e credos defendidos a ferro e fogo, ideologias que cegaram povos e culturas, líderes que mataram e matam em nome do poder (deles, é claro...).

Mas também a vida pessoal e as circunstâncias banais podem servir para pensar: é complicado, sim, mas tudo é mesmo assim, banal por um ângulo, extraordinário por outro ângulo.

O mistério das cousas, onde está ele?
Onde está ele que não aparece
Pelo menos a mostrar-nos que é mistério?
Que sabe o rio disso e que sabe a árvore?
E eu, que não sou mais do que eles, que sei eu disso?
Sempre que olho para as cousas e penso no que os homens pensam delas,
Rio como um regato que soa fresco numa pedra.
Por que o único sentido oculto das cousas
É elas não terem sentido oculto nenhum,
É mais estranho do que todas as estranhezas
E do que todos os sonhos de todos os poetas
E o pensamento de todos os filósofos
Que as cousas sejam realmente o que parecem ser
E que não haja nada que compreender
Sim, eis o que os meus sentidos aprenderam sozinhos:
As cousas não têm significação: têm existência.
As cousas são o único sentido oculto das cousas.

(Fernando Pessoa - 1888- 1935)

---


* INÊS LACERDA ARAÚJO - Filósofa e escritora.

sábado, 27 de novembro de 2010

AMPARO OCHOA: A VOZ DO MÉXICO

Amparo Ochoa (1946-1994) não se tornou apenas a “voz do México”, mas a voz de todos os povos latino-americanos. Fez de sua música um canto pela vida, pelas causas sociais, pelos operários, os estudantes, e pela luta contra as desigualdades e injustiças sociais. Uma das grandes reivindicadoras dos direitos das mulheres na América Latina. Folclorista, cantou e divulgou canções da tradição revolucionária e popular mexicana.  (Mais informações aqui)

Algumas de suas grandes interpretações:

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

ELOY AÑEZ MARAÑON E A ARTE DA SERINGA

A borracha, no século XX, marcou a história de três países amazônicos: Brasil, Peru e Bolívia. Apesar de ter gerado tanta riqueza nenhuma das três nações desenvolveu-se a custa da hevea brasiliensis, que serviu apenas para alimentar a sanha estrangeira ou algum outro “coronel de barranco” em suas inescrupulosas extravagâncias.

Todavia, apesar dos contrastes e confrontos, a civilização da borracha permitiu o surgimento de importantes movimentos culturais: das letras às artes, das músicas às danças, e da culinária às vestes. O que possibilitou não apenas o registro da história de povos tão distintos, mas um maior estreitamento das relações de um pueblo hermano. É o que demonstra a arte do pintor boliviano Eloy Añez Marañon, nascido em Pando em 1966.

As obras de Añez Marañon impressionam pelos tons vibrantes, de singular beleza, e pela maneira como retrata o período da borracha na Amazônia boliviana. Autodidata, como tantos outros artistas da Pan-Amazônia, Eloy Añez Marañon atualmente reside na Espanha. Sua arte já foi exposta em diversas cidades da própria Bolívia, na Espanha, bem como no Brasil, onde esteve em 1988, com uma exposição na Universidade Federal do Acre. Sua arte tem muito a dizer ao Brasil e, sobretudo, a nós acreanos.

---

“Me inspiro en la naturaleza salvaje, el esfuerzo, el coraje, el sacrificio y las esperanzas de los hombres y mujeres de esa bendita tierra mía (Pando)”.

Eloy Añez Marañon
---

"Cautxú"
(óleo sobre tela)
2010
Defumación
(óleo tela 46x38 cm)
2004
El Grito
(acrílico sobre tela)
2010

Hevea
(óleo papel 51x66 cm)
2010-11-26
La Novia del siringal
(acrilico tela 101x152 cm)
2009
La Creación
(acrílico tela 1010x153 cm)
2009
Sin título
(óleo sobre tela)
2010
"Mujer siringuera"
(óleo sobre tela 50x50 cm)
2010
Siringal
(tinta china)
2009-2010
Siringuera
(acrilico tela 59x61 cm)
2009' 2010
Tichelas
(oleo tela 56x61 cm)
 2010

***
Mais sobre o pintor Eloy Añez Marañon em seu blog:

**


Fontes das imagens:

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

HERMANN HESSE: QUANDO FALA O CORAÇÃO

Isaac Melo


Há certos amores que nunca passam, metamorfoseiam-se em esquecimento, mas não deixam de habitar nossa alma. A alma retém o que a memória quer se desfazer. Amei a literatura e a literatura me devolveu amor. Não terá nascido a literatura do primeiro coração a amar? Só quem ama sabe o caminho para alcançar um outro coração. Os literatos que mais nos marcam não são aqueles que nos falam à cabeça tão somente, senão aqueles que nos tocam o coração.

Hermann Hesse
Suspirei, extasiado, quando encerrei as páginas de Sidarta uns três anos atrás. O livro me fascinara. Foi minha iniciação em Hermann Hesse (1877-1962). Certa vez um amigo havia me confidenciado sobre o autor: “tudo o que você encontrar desse cara é bom”. Nas primeiras páginas de Sidarta tive a confirmação dessa verdade. E desde então Hesse tem me acompanhado. Já percorri a Índia junto com seu jovem aprendiz Sidarta, tomei parte em seus dramas em companhia do Lobo da Estepe, avancei até o ano 2200 na aprendizagem dos Jogos das Contas de Vidro, sorvi de sua sabedoria ouvindo suas fábulas e aprendendo com seus contos...

O menino de Calw fora sempre um pássaro livre. Não se deixara aprisionar por convenções sociais, revoltara-se contra a classe burguesa de seu tempo e condenara veementemente o militarismo alemão. “Sou, sem dúvida, patriota. Mas, antes de tudo sou um ser humano. E, se não posso conciliar as duas coisas, dou sempre prioridade à minha humanidade” acentuava Hesse. Seu livro revela a beleza de homem que pensava com o coração e não atirava palavras ao vento.

Hesse não escrevia tão somente para satisfação pessoal. Visionário, seu olhar estendia-se a humanidade: “O poeta não deve amar o seu público e, sim, a humanidade, cuja melhor parte não lê seus escritos e, entretanto, deles necessita”. Não enfeitava a realidade: “Não acredito que o futuro nos traga uma humanidade “melhor”. Não creio venha ela ser nem melhor nem pior do que esta. A humanidade é sempre a mesma. O demônio irrompe no ser humano não apenas de maneira velada ou encarnado em criminosos e psicopatas. Muitas vezes e em alta escala, o diabo faz política e dizima povos inteiros”.

Abominava as guerras e por isso alertava: “Os homens que constituem verdadeira ameaça ao mundo e à paz são os que querem a guerra, que a preparam, e que, acenando-nos com a vaga promessa de uma paz próxima ou incutindo-nos o medo de sermos atacados, tentam fazer-nos cúmplices da execução de seus planos”. E conclamava os homens a uma consciência crítica: “Quanto mais indivíduos houver capazes de contemplar com serenidade e espírito crítico o teatro do mundo, tanto menor será o perigo das grandes loucuras de massas, a começar pela estupidez das guerras”.

Hesse reconhecia no amor, o princípio de toda arte: “O valor e alcance de toda arte serão determinados sobretudo pela capacidade de amar do artista”. Ele não só amou como nos ensinou como se deve amar: “Dar sentido à vida é missão do amor. Vale dizer: quanto mais somos capazes de amar e de nos dedicar a alguém, tanto mais plena de sentido se torna nossa vida”. E apontava novos caminhos a se trilhar: “Silenciar sobre determinado assunto que todos aplaudem calorosamente; sorrir sem maldade de pessoas e instituições; combater a falta de amor no mundo, dedicando mais atenção aos humildes e pequenos; tendo mais confiança no trabalho, mais paciência; renunciando a revidar com ódio a mínima zombaria ou crítica – eis outros tantos caminhos que podemos trilhar”.

Seus pais um dia o quiseram ver pastor protestante. Pastor tornara-se, porém, pastor de corações humanos, onde apascentava suas palavras. Palavras que não eram para iludir os homens; livros que servissem à liberdade: “Os livros não existem para tornar mais dependentes ainda pessoas já de si tão dependentes. Muito menos existem para dar a homens de si inaptos para viver uma mera ilusão ou sucedâneo de vida. Ao contrário. Os livros só têm valor quando nos estimulam a viver, quando servem à vida e lhe são úteis. Desperdiçada é toda hora de leitura da qual não resulte para o leitor uma centelha de energia, uma impressão de rejuvenescimento, um sopro de novidade e de viço”.

Por isso Hesse advertia: “Ler sem pensar, ler distraidamente, é como passear entre belas paisagens com os olhos vendados. Tampouco devemos ler para esquecer-nos a nós e à nossa vida cotidiana, mas, ao contrário, para reassumirmos em nossas mãos firmes e de maneira mais consciente e madura a nossa própria existência. Devemos ir aos livros não como alunos tímidos que temessem aproximar-se de mestres frios e indiferentes; não como os ociosos que passam o tempo a beber. E, sim, como alpinistas a galgar as alturas; como guerreiros que acorrem ao quartel para buscar armas. E não como quem estivesse a fugir de si mesmo, sem vontade de viver”.

O jovem alemão, livreiro um dia, tornou-se cidadão do mundo, e suas palavras, fagulhas a manter acesa a chama da vida, da esperança e da utopia. Em 1946 a Academia Sueca conferia o Nobel àquele menino que um dia rebelara-se contra a disciplina da escola e fugira para a Suiça, e que tempos depois iria sentenciar: “Felicidade é amor – nada mais. Quem sabe amar é feliz”. Destarte, não são os livros, é o amor a maior herança de Hesse a humanidade.