segunda-feira, 16 de outubro de 2017

MEMÓRIA MUSICAL: CÉSAR ESCÓCIO

César Escócio é natural de Sena Madureira. Cantor e compositor, formado em Direito pela Universidade Federal do Pará, passou a morar em Belém, onde além de exercer a advocacia, dedica-se a compor e a cantar, especialmente na afirmação da cultura amazônica. Entre seus trabalhos, destacam-se o LP Caranã (1991) e o CD Omami Omami – Lutas populares na Amazônia (Coletiva) (1997).

O Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira traz os seguintes dados sobre Escócio: “Tem participação em movimentos e eventos artístico-musicais no Acre e no Pará, desde os anos 1970. Com diversas participações em gravações coletivas, lançou o LP solo “Caranã”, em 1995. Em 1997, produziu, em Belém, o CD “Omami Omami - Lutas populares na Amazônia”, do qual participaram compositores e músicos do Pará. Em 2000, participou do songbook “Canções Acreanas”, com a composição “Sou Fronteira”, parceria com o também acreano Océlio de Medeiros. O songbook, que foi publicado sem fins lucrativos, e que faz parte do Projeto “Caderno de Músicas Acreanas”, teve apoio de empresas oficiais como o Banco do Brasil, além de outras, de iniciativa privada, tendo por objetivo tornar pública a produção musical acreana. O compêndio é o registro fonográfico, através de um CD, e gráfico, contendo melodia, letra, harmonia e arranjos instrumentais, além de pequena biografia dos compositores e, também, avaliações de personalidades acreanas, como João Veras, que o idealizou e produziu, Francisco Dandão, Silvio Margarido, Romualdo Silva Medeiros e Danilo de S'Acre.”

O LP Caranã foi gravado e mixado entre março e junho de 1991, nos estúdios “TRANZATAPE”, 16 canais, em Belém do Pará. A ilustração da capa é uma pintura de Jorge Eiró, concebida especialmente para o LP, que contou com músicos como Sagica, Zé Luiz Maneschy, Silvana de Faria, Alcir Meireles, Ricardo Dias, Marianne, Paulo Levi, Luiz Pardal, Joba, Suelene e Nicinha, etc.
Capa de Caranã (1991)


Contracapa de Caranã (1991)
Cartaz da apresentação Made in seringal de César Escócio com a Banda Látex em Rio Branco em 1989.

Detalhe folder de Made in seringal

Folder do show Made in seringal (1989)

Letras de algumas músicas que se encontram no LP Caranã:

CARANÃ
César Escócio

Caraná
É o verão se achegando
Natureza afora
É um povo migrante
Que foge do tédio
Que foge do vício
Da cidade
Que busca o sopro do mar
Nas delícias da água
Na malícia das ondas
Nas crinas de um sol vermelho
Nas denguices de uma noite enluarada
Caranã
É a rosa das dunas originando as fontes
Despertando os cânticos
É Atalaia numa tatuagem viva
Trançada de gente
Que nem o arco-íris à beira do mar
Caranã
É o farol vermelho vagalumeando
No avisar da rota ao bom pescador
Que vem de tão longe
De dentro da noite
De volta pro seu amor
Caraná
É um tapiri de palha
Perto da ladeira, onde se dança
De onde se vê o verão
De onde se avista o porto
E o maçarico
E a gaivota
E a ponta de areia que entra no mar
Caraná
Somos nós e uma lua a brilhar
Somos nós e o sopro do mar
São as veias da terra a jorrar
Cristalinas salinas
Ah minha amada!
São promessas de amor
No olhar.


NORTEANDO
César Escócio

Norte andei
Selvamar
No reflorir do ipê
No dia da luamar
No céu fumacê
Pintou de novo a maré
Cunhã foi pro igarapé
Traçando seus tucumãs
Mirando-se nas manhãs
Nas águas de abaeté
Num barco faz sua fé
Pra retornar – Marajó
E não ficar assim tão só
Na linha do equador
Pensando no seu amor
Além de lá
O rio
O cheiro-ribeira
Cavalo do rio
Canoa ligeira
Eh, canoa!
Repique da maresia
Saudade agonia
Cuíra
Remanso de lua
Corações se buscam
Sem distância de amar
Em cada porto-cidade
Há uma espera-miragem
Em avidez, liberdade
Trabalho, fé e coragem
Em refazer o pão
Atravessando o verão


CÉU DO AQUIRY
César Escócio

Mirei
Mirei muchacha
Mira tu rambém
O cintilar das estrelas
Lindas no céu do aquiry

Canta toda essa beleza
Esse cheiro de mato
Que navega no ar

Canta pela natureza
E saúda os povos
Dessa floresta acesa
Pela luz da lua
Fogo do prazer

Mirei...


SOPRO AMAZÔNICO
César Escócio

Vociferar
A mata e seus mistérios
O verdejar desponta
Na ponta do olhar
Tanto chão
Quanta distância pra vencer
O céu e suas nuvens
Entre galhos e espinhos e rios
As vozes da mata
Numa canção selvagem
O sopro amazônico
Num verde forte refrão
Filhos desse império
Aldeias e tabocais
Tapuias e curumins
Araras e paxiubais
Serpentes e jacamins


RAINHA DA FLORESTA
Pia Vila, Felie Jardim e Txai Terry Aquino

Senhora rainha da floresta
Dai-me a força da ayawuasca
Pra cantar nessas malocas
Pros índios desse lugar

Quero beber caiçuma
E tomar muito cipó
Quero bailar o mariri
Nas aldeias do aquiry

Dai-me a força do jagube
Na luz do lampião
Iluminando todas as veredas
Que dão pro meu coração

Como é grande essa floresta
É maior a solidão
Dessa vida passageira
Desse verde sertão

Vou seguindo pela vida
Varejando de ubá
Todos os rios dessa terra
Unidos chegarão ao mar... 


Nossa homenagem ao artista César Escócio e o nosso agradecimento ao amigo João Veras.
Postar um comentário