quinta-feira, 23 de julho de 2015

MUGE O BOI, CHORA O HOMEM

Isaac Melo


era uma vez
na terra de Galvez
era uma rês
Chico Mendes
a lenda
negociaram
trocaram
por aquilo que rende
ideais à venda
produto de exportação
na feira de Milão
moeda de troca
promissória da oca
enquanto isso a floresta
comemora em festa
e é um e é dois
viva os bois
madeira certificada
mata empenhada
e as flores em agonia
sem florestania
sim, mentiram
cala-te, eles atiram
e chega a exposição
a imposição
o Acre exposto
servido a tira-gosto
aos sócios
do agronegócio
e tudo sucumbe
pelo dinheiro ou pelo chumbo
nem mapinguari aguenta
se afugenta
tangido pela pata
que incendeia e mata
porém, muito perto
é certo
muge sincera
a miséria
mas esse mugido
no palácio não é ouvido
Postar um comentário