terça-feira, 14 de outubro de 2014

CANSA SENTIR

Fernando Pessoa (1888-1935)


Cansa sentir quando se pensa.
No ar da noite a madrugar
Há uma solidão imensa
Que tem por corpo o frio do ar.

Neste momento insone e triste
Em que não sei quem hei de ser,
Pesa-me o informe real que existe
Na noite antes de amanhecer.

Tudo isto me parece tudo.
E é uma noite a ter um fim
Um negro astral silêncio surdo
E não poder viver assim.

(Tudo isto me parece tudo.
Mas noite, frio, negror sem fim,
Mundo mudo, silêncio mudo –
Ah, nada é isto, nada é assim!)


PESSOA, Fernando. Obra Poética. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1992. p.163-164
Postar um comentário