sábado, 8 de novembro de 2014

O MEDO VENCEU A ESPERANÇA

Inês Lacerda Araújo


Quais foram as pessoas que insistiram em entronizar novamente o PT no poder, do qual não deseja e nem pode sair?

Anos atrás uma colega da UFPR me convidou para evento ou manifestação do PT, sequer passou pela sua cabeça que eu não fosse partidária daquele ideário e daquelas propostas, socialismo, ocupação de terras, Lula no poder, triunfo da esquerda, etc.

Isso porque petistas sempre se consideraram acima de suspeita, partido da ética (pois sim!!!), militância aguerrida, modelo socialista cubano, a estrela vermelha acima de tudo e de todos. Nós, e somente nós, temos razão, somos bons, os melhores, o Brasil irá se transformar, sem miséria, sem fome, nacionalizaremos os bancos, o MST será o dono do campo, fora agricultura de exportação, todo poder aos sindicatos, enfim, vários slogans e palavras de ordem para ganhar não adeptos e sim fervorosos militantes.

Nada disso, e Lula para exercer governo minimamente eficaz, precisou usar dos princípios e bases da economia de mercado. O FMI não teve sua dívida paga, o MST só não invadiu à vontade propriedades rurais, porque, afinal, sem exportar grãos a balança comercial entraria em colapso. Depois foi o que se viu, cabresto à custa de dinheiro de deputados (mensalão) e agora, justamente depois de acusar Fernando Henrique, Alckmin e Serra de quererem privatizar a Petrobras, o lulopetismo afundou a Petrobras, "privatizou" a empresa, mas para eles!!!

A oposição perdeu novamente.

Quem votou em Dilma?

Pobres e miseráveis amedrontados, amordaçados e deixados em condição de pobreza e miséria. Sim, aumentou o número de miseráveis, isso convém, isso é necessário, manter toda uma população sob o garrote. A distribuição de riqueza falhou, ou melhor, foi feita na medida certa para a manutenção no poder.

Os que usufruem do poder, não saem, assim não precisam batalhar por emprego, e as falhas podem continuar acobertadas. De qualquer modo, milhares de apaniguados que não largam o osso.

Votaram também, é claro, os militantes, eu diria, os fiéis à causa, cuja cartilha são as lições pré-históricas dos intelectuais marxistas. Para eles o muro de Berlim, que caiu há 25 anos, precisa ser reerguido. A imprensa precisa ser censurada (há os simpatizantes da Folha de São Paulo, mesmo quando este jornal critica o governo, a militância acusa apenas a TV Globo, claro, analfabetos assistem TV mas não leem jornal...), os grupos sociais simpáticos à causa serão financiados, os professores de História contarão que o capitalismo é mau, que os pobres são bons e os ricos maldosos, esse conto de fada tão fácil de fazer a cabeça da rapaziada.

A desconstrução mentirosa foi muito bem articulada, deu certo.

O que o lulopetismo não  previu foi a força dos protestos, a indignação,  a esperança de ter um governo eficiente e ético foi frustrada e hoje serve de mola para protestos pós-eleitorais. Isso nunca se viu antes!

Os que votaram em Aécio podem esperar mais quatro anos. Será difícil, muito difícil...


* Inês Lacerda Araújo - Professora de Filosofia durante 40 anos, na UFPR, e nos últimos anos na PUCPR. Atualmente autora de livros sobre Epistemologia, História da Filosofia e Teoria do Conhecimento.
Postar um comentário