sexta-feira, 15 de abril de 2016

MURMÚRIOS DOS EXCLUÍDOS

Gilberto A. Saavedra – Rio de janeiro – 20/02/2015

“Sei que um dia, a felicidade baterá à sua porta, mas não sei em que século.” 
Rosto Marcado Pelo Tempo
Linhas Profundas Que Falam Por Si
Semblante Tristonho...
Cicatrizes Que Guardam o Sofrimento na Alma
Um Olhar Perdido no Espaço...

Sem Esperanças, Sem Rumos e Sem Horizontes.
Analfabetismo, Sem Perspectivas e Sem Futuro.
Subempregos, Provisórios, Porém Definitivos.
Esforço Físico, Cansaço e Exaustão.
Sem Dignidade Sem Estudos e Sem Cidadania.
Sem Lar, Sem Abrigo e Sem Bem Estar.
Sem dinheiro, Sem felicidade, Consigo só Amor.

Numa Face Envelhecida e Enrugada
Vítima de Maus tratos e Violências Sociais...
Deixado de Fora, Rejeitado Pela Sociedade...
Sem Pátria, Sem Rosto e Sem Identidade.
Abandono, Descaso e Humilhação.
Discriminação, Isolamento e Exclusão Social.

Miséria, Fome e Doenças.
Vivo-Morto, Médio Tempo de Vida... Morte.
São Vozes Baixas Sem Forças
Que Não Podem Ser Ouvidas
Pedindo Socorro e Socorros...
“NOS MURMÚRIOS DOS EXCLUÍDOS”
Tudo Acontecendo
No Gigante Pela Própria Natureza. 


“Espero que numa ‘Era’ vindoura, com gerações mais inteligentes, possam transformar o Brasil numa grande nação”.
Postar um comentário