segunda-feira, 27 de maio de 2013

AI! SE SÊSSE!...

Zé da Luz (1904-1965)


Certa vez, no início do século passado, numa cidadezinha do sertão pernambucano, disseram que para falar de amor era necessário falar um português correto. Aí Zé da Luz escreveu uma poesia que diz assim:
Se um dia nós se gostasse;
Se um dia nós se queresse;
Se nós dos se impariásse,
Se juntinho nós dois vivesse!
Se juntinho nós dois morasse
Se juntinho nós dois drumisse;
Se juntinho nós dois morresse!
Se pro céu nós assubisse?
Mas porém, se acontecesse
qui São Pêdo não abrisse
as portas do céu e fosse,
te dizê quarqué toulíce?
E se eu me arriminasse
e tu cum insistisse,
prá qui eu me arrezorvesse
e a minha faca puxasse,
e o buxo do céu furasse?...
Tarvez qui nós dois ficasse
tarvez qui nós dois caísse
e o céu furado arriasse
e as virge tôdas fugisse!!!

Postar um comentário