sábado, 27 de setembro de 2014

A CULPA É DA FILOSOFIA E SOCIOLOGIA

Palavras da atual candidata (me recuso a pronunciar seu nome) do PT a presidência da República, em que, entre outras, menospreza a filosofia e a sociologia:

“Por que criar um ensino técnico? Porque o jovem do ensino médio, ele não pode ficar com 12 matérias, incluindo nas 12 matérias, filosofia e sociologia. Não tenho nada contra filosofia e sociologia, mas um currículo com 12 matérias não atrai um jovem.” (em entrevista ao jornal Bom Dia Brasil 22.09.2014)

Bem, mal comecei minha vida de professor de filosofia e já vou ter que mudar de profissão. Aceito sugestões!

Clique aqui para conferir a entrevista completa.
Leia aqui um artigo de opinião sobre a fala da presidente.

 ***

“Que ninguém hesite em se dedicar à filosofia enquanto jovem, nem se canse de fazê-lo depois de velho, porque ninguém jamais é demasiado jovem ou demasiado velho para alcançar a saúde do espírito. Quem afirma que a hora de dedicar-se à filosofia ainda não chegou, ou que ela já passou, é como se dissesse que ainda não chegou ou que já passou a hora de ser feliz. Desse modo, a filosofia é útil tanto ao jovem quanto ao velho: para quem está envelhecendo sentir-se rejuvenescer por meio da grata recordação das coisas que já se foram, e para o jovem poder envelhecer sem sentir medo das coisas que estão por vir; é necessário, portanto, cuidar das coisas que trazem a felicidade, já que, estando esta presente, tudo temos, e, sem ela, tudo fazemos para alcançá-la.”

Epicuro (341-270 a.C.)
EPICURO. Carta sobre a felicidade (a Meneceu). Tradução e apresentação de Álvaro Lorencini e Enzi Del Carratore. São Paulo: Editora UNESP, 2002.


Um filósofo: um homem que continuamente vê, vive, ouve, suspeita, espera e sonha coisas extraordinárias; que é colhido por seus próprios pensamentos, como se eles viessem de fora, de cima e de baixo, constituindo a sua espécie de acontecimentos e coriscos; que é talvez ele próprio um temporal, caminhando prenhe de novos raios; um homem fatal, em torno do qual há sempre murmúrio, bramido, rompimento, inquietude. Um filósofo: oh, um ser que tantas vezes foge de si, que muitas vezes tem medo de si – mas é sempre curioso demais para não “voltar a si”... § 292

Friedrich Nietzsche (1844-1900)
NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Além do bem e do mal: prelúdio a uma filosofia do futuro. Tradução, notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

“Quem é capaz de ver o todo, é filósofo; quem não é capaz, não o é.”
Platão
Postar um comentário