sábado, 13 de setembro de 2014

A MÃE DA MATA

Nilson Mourão
para Marina 

Ó Poronga linda
Acende tua luz,
Ilumina a nossa Estrada,
clareia os varadouros
para que a Mãe-da-Mata,
a seringueira,
misteriosa e forte,
continue dando o leite da vida.

Ó lamparina linda,
acende tua luz,
resgata a nossa vida,
renova nossa alegria
de viver na floresta,
com os animais e os rios,
com o sol, a chuva e as estrelas.

Ó lamparina infinita
acende tua luz...

Cruzeiro do Sul – Ac, 23.08.1997


MOURÃO, Nilson. Cantos de Fé e Amor. Rio Branco: Fundação Elias Mansour, 2004.
p.s. depois do nome de Marina, na dedicatória do poema ainda consta o adendo "senadora dos seringueiros".
Postar um comentário