sábado, 5 de março de 2016

RESPOSTA

L. Ruas (1931-2000)



apenas vemos sombras
sem conhecermos a luz.
percebemos a chaga
não tocamos a alma.
brasa em negro fogo consumida
semente bipartida.
julgas possuir toda ciência
se saber rir apenas
quando é preciso rir
é mister no entanto descobrir
que também no muito riso há pranto.
a máscara sustém dois olhos
um é cego porém. de fato
só um olho vê. por isso
conheces silhuetas
e não a dimensão total
aquela dimensão que
pode ser transdimensional
entre todas
é mais constante e mais real.
a caverna de platão.
que sabes das rosas renascidas?
das estrelas em luz desfalecidas?
da liberdade e do amor?
ser livre em essência é ser cativo. 


RUAS, L. Aparição do clown. Manaus: Valer, 1998. p.37
APARIÇÃO DO CLOWN (Manaus, Valer, 1998), de Luiz Ruas (1931-2000). Um clássico da poesia amazonense que apareceu pela primeira vez em 1958. L. Ruas era padre e integrou o importante movimento literário Clube da Madrugada, em Manaus.
Foto de L. Ruas: Blog do Coronel Roberto
Postar um comentário