terça-feira, 8 de março de 2016

SANITARISTA ACREANA DE TARAUACÁ COM DESTAQUE NA SAÚDE NO ESTADO DO AMAZONAS

Gilberto A. Saavedra
Rio de Janeiro, 08/03/2016
Escola de Formação Profissional – Enfermeira Sanitarista Francisca Saavedra

Escola de Formação Profissional – Enfermeira Sanitarista Francisca Saavedra


Francisca Saavedra com
sua filha Cristina e a sobrinha 
Alessandra (a menor).
Francisca das Chagas de Almeida Saavedra nasceu no dia 04 de Novembro de 1942, na cidade de Tarauacá, Município do Estado do Acre. Filha de família tradicional da região; seu pai, professor Levy Cervantes Saavedra, (1900/1977) seringalista (da época) naquela área territorial, sendo hoje, o Município de Jordão (AC), assentado em uma parte das terras de cima do ex-seringal “Duas Nações”, de sua propriedade e sua mãe, Rita de Almeida Saavedra (1924/2004), funcionária da União; ambos os falecidos.

Francisca era uma menina aplicada nos estudos. Em sua casa, ela não largava os livros. Sempre tinha um para ler. Romance e política, eram os prediletos. Leu livros de outras ideologias que seu pai não admitia, mas, ela lia-os nos momentos oportunos.

Gostava de passear, dançar, participar de desfiles no Rio Branco clube da capital, ouvir músicas, piqueniques, cinema, essas coisas boas que a vida nos proporciona. Estudou no estadual Colégio Acreano e concluiu o Nível Médio na Escola Normal Lourenço Filho em Rio Branco, Acre.

Seus pais decidiram que Francisca deveria prestar o vestibular no Rio de Janeiro, ela viajou, mas, antes dos exames, resolvera retornar ao Acre e prestar o vestibular para Direito na Faculdade local.

Já como aluna acadêmica, interessou-se por uma bolsa de estudos, patrocinada pelo governo amazonense; trancou sua matrícula e foi à Capital amazonense prestar mais um vestibular; foi aprovada e ficou lá, no Estado do Amazonas.

Alunos curso Saúde Bucal
Depois de formada como Enfermeira Sanitarista e cursos de Pós Graduação foi contratada pelo governo amazonense onde trabalhou durante todo o resto de sua vida. Exerceu o cargo de Secretária Municipal de Saúde, onde realizou um trabalho formidável e se destacou; criou vários trabalhos de destaques sócio educativos.

Preocupada com os graves problemas de saúde, principalmente da população do interior do Estado do amazonas, causados pelas patologias endêmicas da região amazônica, com muitos esforços e dedicação, conseguiu junto ao SUS e Governo Federal, criar uma das mais importantes escolas técnicas de saúde no país em Manaus, que em sua homenagem levou o seu nome, “Escola Técnica Federal do SUS – Enfermeira Sanitarista Francisca Saavedra”, situada na Avenida Desembargador Felismino Soares s/nº na Colônia Oliveira Machado; uma escola de Formação Profissional, onde existem cursos descentralizados em 19 Municípios do Estado do Amazonas, sendo todos eles grátis.

Enfermagem
Infelizmente, já doente, Francisca Saavedra Silva não conseguiu ver o momento da entrega da obra de suma importância para região amazônica. Faleceu no dia 8 de Março de 2004 e a inauguração da escola foi em Setembro do mesmo ano.

Francisca Saavedra Silva exerceu o Cargo de Secretária Municipal de Saúde de Manaus, na gestão do Governador Amazonino Mendes na década de 1990.
Hoje dia 08 de Março, “Dia Internacional da Mulher” é homenageada na cidade de Manaus. 

Foi casada com Edson da Silva, médico Ortopedista e que exerceu o cargo de Superintendente do INSS na Região Amazônica em meados da década de 1990, com quem teve dois filhos: Rodrigo Saavedra Silva, Professor de Educação Física em Manaus e Cristina Saavedra, médica Psiquiatra em São Paulo.

SAUDADE

Quando um ente querido nos deixa, a dor em nossos corações é arrasadora. Parece não ter fim. Uma tristeza melancólica se apossa da gente, nos deixando sem rumos, sem saber o que fazer nesses momentos mais difíceis e tristonhos de nossas vidas.

Entretanto o tempo é sábio e aos poucos nos dá forças novamente, dando-nos coragem, para suportar a perda de uma pessoa que você amava.

Minha irmã, FRANCISCA SAAVEDRA, nos deixou muito cedo. Faleceu aos 61 anos, em Manaus, em 08/03/2004. Somente, saudade.
Postar um comentário