sexta-feira, 14 de abril de 2017

A LIDA DO SERINGUEIRO

Raimundo Alves de Oliveira (1922-?)


Seringueiro lá na mata
nem parece um cidadão,
Naquela lida ingrata,
Trabalhando a bem do pátria
e do progresso do patrão;

Atacado pelos insetos
Sarampo, febre e sezão,
Pouco dinheiro ele ganha,
e tem a farofa de banha
como alimentação;

Ele sempre acorda,
é todo ensanguentado,
Porque quando está dormindo
pelo morcego é sangrado,
A vida é de suplício
e muitas noites com isso
passa o tempo acordado;

Dorme pouco na noite,
levanta de madrugada,
Porque de manhã bem cedo,
vai cortar a sua estrada,
Quando sai é de carreira,
com espingarda e cartucheira
temendo onça pintada;

Acreditem meus leitores,
no que eu estou narrando,
O sofrer do seringueiro
é como estou contando,
Trabalha com muito medo
e também não tem sossego
com a carapanã ferrando.


OLIVEIRA, Raimundo Alves de. Coletânea de Músicas Acreanas. Rio Branco: s/d. p.2

Nenhum comentário: