terça-feira, 9 de maio de 2017

EPIGRAMAS

Marco Valério Marcial (40 d.C-104 d.C.)



9

Homem belo e de valor
queres, Cota, parecer.
Mas um homem, sendo belo,
de valor não pode ser. p.231

16

Aqui lês dois versos bons,
três passáveis, mil ruins.
Não há outro modo, Avito:
um livro se faz assim. p.231

32

Não gosto de você, Sabídio, nem sei dizer por quê.
Só isto sei e digo: não gosto de você.p.233

33

Se Gélia está sozinha, ao pai não chora morto;
se está presente alguém, então, às ordens dela,
as lágrimas se vão saltando pelo rosto...
quem busca ser louvado, ó Gélia, esse não sofre
sofre em verdade quem sem testemunha sofre. p.233

38

Os versos que tu recitas
são, sim, Fidentino, meus:
mas como os recitas mal,
eles passam a ser teus. p.233

40

Você que franze os sobrolhos
e não me lê de bom grado,
que morra sempre de inveja
sem nunca ser invejado. p.235

64

Por certo, é bela e jovem, bem sabemos,
e rica. Quem negá-lo poderia?
Mas se demais tu te louvas, Fabula,
já não é rica, nem bela, nem jovem. p.235


Não mostras, Lélio, teus versos:
criticas, contudo os meus.
Ou para de criticar,
ou então publica os teus. p.237

segundo livro

7
Tu lindamente declamas e lindamente advogas;
histórias lindas tu fazes, Ático, lindos versos...
Mimos compões lindamente e lindamente, epigramas;
és um gramático lindo, um lindo astrólogo és.
Ó Ático, cantas lindo e lindamente tu danças;
na arte da lira és lindo, és lindo na arte da bola.
Embora não faças nunca nada bem, todavia
tu sempre todas as coisas fazes tão lindamente...
queres que eu diga o que és? Tu és um grande metido! p.237

58

Ris de minhas vestes velhas,
metido em toga novinha.
São, de fato, velhas vestes,
só que, Zoilo, elas são minhas. p.239

Sétimo livro

35

Sabes por que, Pontiliano,
não te mandos os livros meus?
É porque tu, Pontiliano,
poderás mandar-me os teus. p.245 


NOVAK, Maria da Glória; NERI, Maria Luiza (orgs.). Poesia lírica latina. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
Postar um comentário