quinta-feira, 25 de agosto de 2011

DE POETAS & FLORES

<< Três belos poemas de três grandes vozes da poesia brasileira. >>

PEQUENA FLOR
Cecília Meireles

Como pequena flor que recebeu uma chuva enorme
e se esforça por sustentar o oscilante cristal das gotas
na seda frágil e preservar o perfume que aí dorme,

e vê passarem as leves borboletas livremente,
e ouve cantarem os pássaros acordados sem angústia,
e o sol claro do dia as claras estátuas beijando sente,

e espera que se desprenda o excessivo, úmido orvalho
pousado, trêmulo, e sabe que talvez o vento
a libertasse, porém a desprenderia do galho,

e nesse temor e esperança aguarda o mistério transida
- assim repleto de acasos e todo coberto de lágrimas
há um coração nas lânguidas tardes que envolvem a vida.

Cecília Meireles
in: Viagem (1939)

ANÍMICO
Adélia Prado

Nasceu no meu jardim um pé de mato
que dá flor amarela.
Toda manhã vou lá pra escutar a zoeira
da insetaria na festa.
Tem zoada de todo jeito:
tem do grosso, do fino, de aprendiz e de mestre.
É pata, é asas, é boca, é bico, é grão de
poeira e pólen na fogueira do sol.
Parece que a arvorinha conversa.

Adélia Prado
In: Bagagem (1975)

ESTÉTICA MÚSICA
Carlos Drummond de Andrade

A rosa no vaso
já não te seduz.
Rosa na roseira
é a que te alumbra.
Pendente do galho,
é muito mais rosa.
O vaso é violência
contra a rosa pura,
contra a forma pura,
dom da natureza
que não merecemos.

Carlos Drummond de Andrade
In: Poesia Errante (1988)

---

Créditos fotos:
1 > arquivo pessoal; 2 > Flickr jluizsc; 3 > Flickr nicoren.
Postar um comentário