quinta-feira, 28 de março de 2013

CARTAS CAÍDAS

Walt Whitman 


E digo à humanidade: - não sejas curiosa sobre Deus,
pois eu que sou curioso sobre todas as coisas de Deus não sou curioso.
(Não há palavras que logrem dizer quanto me sinto em paz
perante Deus e a morte.)

Escuto e vejo Deus em todos os objetos, embora não entenda
Deus nem um pouquinho,
assim como não entendo que possa alguém ser mais maravilhoso do que eu.

Por que deveria eu querer ver Deus melhor do que neste dia?
Eu vejo algo de Deus a cada uma das vinte e quatro horas,
e a cada momento delas,
nos rostos dos homens e das mulheres eu vejo Deus, e no meu
próprio rosto pelo espelho,
acho cartas de Deus caídas pela rua e todas assinadas com o nome de Deus,
e as deixo onde elas estão, pois sei que aonde quer que eu vá
outras hão de chegar pontualmente sempre e por todo o sempre.


WHITMAN, Walt. Folhas de relva. (trad. Geir Campos). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964). p.36  // * Título dado por mim. Não consta no original.
Postar um comentário