terça-feira, 11 de junho de 2013

TU

Jorge Luis Borges


Um só homem nasceu, um só homem morreu na terra.
Afirmar o contrário é mera estatística, é uma adição impossível.
Não menos impossível que somar o cheiro da chuva
e o sonho que anteontem à noite sonhaste.
Esse homem é Ulisses, Abel, Caim, o primeiro homem
que ordenou as constelações, o homem que erigiu
a primeira pirâmide, o homem que escreveu os
hexagramas do Livro das mutações, o forjador que
gravou runas na espada de Hengist, o arqueiro
Einar Tambarskelver, Luis de León, o livreiro que
engendrou Samuel Johnson, o jardineiro de Voltaire,
Darwin na proa do Beagle, um judeu na câmara
letal, com o tempo, tu e eu.
Um só homem morreu em Ílion, no Metauro,
em Hastings, em Austerlitz, em Trafalgar, em
Gettysburg.
Um só homem morreu nos hospitais, em barcos,
na árdua solidão, na alcova do hábito e do amor.
Um só homem fitou a vasta aurora.
Um só homem sentiu no paladar o frescor da água,
o gosto das frutas e da carne.
Falo do único, do uno, do que está sempre só.


BORGES, Jorge Luis. Poesia. Trad. Josely Vianna Baptista. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p.117

Postar um comentário