sábado, 4 de junho de 2016

VAMOS POETIZAR O POEMA

Mário Chamie (1933-2011) 


Vamos poetizar o poema
e perfumar a sua flor
que por dentro
do poema
é flor isenta.

Coisa pétrea
ou coisa seca,
vamos perfumar
essa flor
na placenta do poema
que a penetra como luz
que por dentro
se arrebenta.

A luz do poema
é a voz
que o poema inventa.
Vamos poetizar
essa voz
que a luz do poema
engendra.

Não há toureiro
que toureie
sem sua capa
vermelha.
O sangue de sua espada
é sua palavra-poema.
Vamos poetizar a palavra
com sua capa toureira:
as vísceras da metáfora
na sua espada vermelha.

Sangue e areia,
vamos perfumar
a flor neutra
na placenta do poema
que, na arena da tourada,
ao poema se assemelha.

Flor neutra
ou flor isenta,

voz caprina
ou voz cabrália,
vamos poetizar
o poema

contra o não
da pedra árida.


CHAMIE, Mário. Horizonte de esgrimas. Ribeirão Preto: Funpec, 2002.
Postar um comentário