sábado, 26 de abril de 2014

CRONICAMENTE INVIÁVEL

“A realidade não interessa as pessoas. Não adianta mostrar nada de real para elas. Elas sempre vão encarar tudo como ficção. Para quê perder tempo interpretando a realidade para as pessoas entenderem? Só para fingir que eu entendo melhor? Melhor só registrar os fatos e deixar a interpretação para depois. Assim pelo menos posso fingir cada vez de uma forma. Cada vez arrumar a realidade de um jeito, de acordo com o poder do momento. Ou nunca interpretar, o que seria perfeito. Registrar os fatos, nada mais.”

CRONICAMENTE INVIÁVEL (1999), filme de Sérgio Bianchi.

“Como documentário é falso. Não há uma só cena que não tenha sido encenada. Dessa sucessão de cenas autônomas sai o mais lúcido e cruel retrato que o cinema brasileiro fez do País nos últimos anos. Bianchi investe contra a hipocrisia social e o mito de harmonia racial que somente serve para mascarar a tragédia brasileira. No tempo da ditadura dizia-se que este era um país que ia para a frente. Alimentam-se hoje outras fantasias aquilo que o diretor chama de clichês esquizofrênicos, otimistas e cínicos.” ZAZ Cinema

p.s. pessoal, é impossível sair indiferente desse filme, assim como de outros do Bianchi, é angustiante, impactante, provocante. É uma tapa na cara. E saímos nos perguntando quem é vilão e mocinho no Brasil, diante da corrupção e do jeitinho brasileiro. Mas se você prefere o Brasil oficial (cardosista, lulista, dilmista etc) em vez do Brasil real, então aproveite para ir ver o Faustão.
Postar um comentário