quinta-feira, 17 de julho de 2014

MARIA-PELEGO-PRETO

Manoel de Barros


Maria-pelego-preto, moça de 18 anos, era abundante de pelos no pente.
A gente pagava pra ver o fenômeno.
A moça cobria o rosto com um lençol branco e deixava pra fora só o pelego preto que se espalhava quase até pra cima do umbigo.
Era uma romaria chimite!
Na porta o pai entrevado recebendo as entradas...
Um senhor respeitável disse que aquilo era uma indignidade e um desrespeito às instituições da família e da Pátria!
Mas parece que era fome.


BARROS, Manoel de. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2010. p.22
Postar um comentário