segunda-feira, 7 de julho de 2014

SOBRE O OFÍCIO DO ESCRITOR

Arthur Schopenhauer (1788-1860)


Antes de tudo, há dois tipos de escritor: os que escrevem por amor do assunto e os que escrevem por escrever. Aqueles que tiveram ideias ou fizeram experiências que lhe parecem dignas de ser comunicadas; estes precisam de dinheiro, e por isso escrevem, por dinheiro. Pensam com o propósito de escrever. Podem ser reconhecidos pela sua tendência a prolongar ao máximo seus pensamentos e a expô-los com meias-verdades, obliquidade, de maneira forçada e oscilante, em geral também por seu amor pelo claro-escuro, a fim de parecer o que não são; por tal razão, faltam precisão e clareza completa ao seu texto. Sendo assim, pode-se logo notar que escrevem para preencher papel; às vezes isso transparece em nossos melhores escritores: por exemplo, em algumas passagens da Dramaturgia de Lessing e até mesmo em alguns romances de Jean Paul. Tão logo o percebemos, devemos nos desfazer do livro, pois o tempo é precioso. No fundo, porém, o autor ilude o leitor quando escreve para preencher o papel, pois a alegação de sua escrita é ter algo a comunicar. Os honorários e a proibição da reprodução são, na verdade, a deterioração da literatura. Só quem é movido exclusivamente pela causa que lhe interessa escreve o que é digno de ser escrito. Que ganho inestimável haveria se em todas as áreas de uma literatura existissem apenas poucos, mas primorosos livros. Entretanto, nunca se chegará a esse ponto enquanto houver honorários a lucrar. É como se tivesse caído uma maldição sobre o dinheiro: todo escritor torna-se ruim assim que começa a escrever com o objetivo de lucro. As obras mais primorosas dos grandes homens são todas da época em que eles ainda tinham de escrever de graça ou por honorários muito reduzidos. Portanto, confirma-se aqui o provérbio espanhol: honra y provecho no caben en un saco (“honra e dinheiro não cabem no mesmo saco”). O estado deplorável da literatura hodierna, na Alemanha e no exterior, tem na sua raiz o fato de se ganhar dinheiro escrevendo livros. Todo aquele que precisa de dinheiro senta-se à escrivaninha e põe-se a escrever um livro, e o público é suficientemente tolo para comprá-lo. A consequência secundária disso é a deterioração da língua.

Uma grande quantidade de escritores ruins vive tão-somente da tolice do público, que não quer ler nada além do que foi impresso no mesmo dia: são os jornalistas. O nome já diz tudo! Em alemão dever-se-ia dizer “diarista”*.


SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre o ofício do escritor. Tradução (italiano) Eduardo Brandão, (alemão) Luiz Sérgio Repa. São Paulo: Martins Fontes, 2005. p.3-5

_____________
*O que caracteriza os grandes escritores (no gênero mais elevado), bem como os artistas, e, portanto, é um traço comum a todos eles, é o fato de levarem a sério o que fazem: todos os outros só se preocupam com as vantagens e o lucro.
Se alguém alcança a glória por meio de um livro qualquer, escrito a partir de uma vocação ou por impulso interno, mas logo depois torna-se um polígrafo, vende sua glória por dinheiro vil. Quando se escreve só para ter o que fazer, nada dá certo.
Só neste século há escritores por profissão. Até então houve escritores por vocação.
Postar um comentário