segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

SOBRE O OFÍCIO DO ESCRITOR

Arthur Schopenhauer (1788-1860)


A vida real de um pensamento dura apenas até ele chegar ao limite das palavras: nesse ponto, ele se lapidifica, morre, portanto, mas continua indestrutível, tal como os animais e as plantas fósseis dos tempos pré-históricos. Essa realidade momentânea da sua vida também pode ser comparada ao cristal, no instante da cristalização.

Pois, assim que nosso pensamento encontra as palavras, ele já não é interno, nem está realmente no âmago da sua essência. Quando começa a existir para os outros, ele deixa de viver em nós, como o filho que se desliga da mãe ao iniciar a própria existência. Mas diz também o poeta:

“Não me confundais com contradições!
Tão logo se fala, já se começa a errar,” 



SCHOPENHAUER, Arthur. Sobre o ofício do escritor. Tradução (italiano) Eduardo Brandão, (alemão) Luiz Sérgio Repa. São Paulo: Martins Fontes, 2005.p.14-15
Postar um comentário