segunda-feira, 9 de março de 2015

PORANTIM: cântico XI

João de Jesus Paes Loureiro


“ Na jusante
levo-me.
                        Elevo-me ao mar
e
no entanto
            Mar
            sou Rio.
Assim me sei,
ciente do que sou
no que não-sou
                            consciente . . .

Certo não sou quem sou,
pois não me penso
e o existir
é minha forma de passar além . . .

Riomar.
Sou rio e mais o Mar
e
além de
              Mar e Rio
                              sou Riomar.
Cavaleiro e campo de batalha.
Arma, defesa e luta.
Sou isto e não aquilo
e sou também aquilo.
O istoaquilo de seres
erros
            res e ser
                              jusante . . .

E sou aquilo que me deixo
em várzeas verdes.
Conhecimento de que meu caminho
não é o meu caminho
e que correr é como sei de mim.
esta forma de ir, que é meu destino,
conhece-me infeliz,
pois que não sou em mim
e amo as águas destas águas noutras águas . . .”


LOUREIRO, João de Jesus Paes. Porantim (poemas amazônicos). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. p.49-50
Postar um comentário