terça-feira, 9 de julho de 2013

HOMENAGEM PÓSTUMA E IMORTALIDADE

A arte do amor, da justiça e da verdade são as tintas com as quais cada ser humano escreve seus melhores trabalhos espirituais no humano, e o humano no espiritual.

Clodomir Monteiro
Presidente da Academia Acreana de Letras
28.06.2013


A celebração com panegíricos aos confrades e confreiras da Academia Acreana de Letras, com residências transferidas para outro endereço, com certeza inefável em paraíso não perdido, é conhecida como Homenagem Póstuma, geralmente aplicável por outros sodalícios. Guarda relações comuns às de várias associações públicas e privadas, e, contudo, oferece uma característica especial, especificamente, no que a torna fascinante e desejada: a imortalidade.

Mas como falar em homenagem póstuma a imortais. Homenagem Póstuma para dar plausibilidade à vida sem sentido se finita aqui, no cotidiano. Nela recordamos do homenageado suas qualidades éticas, morais e espirituais explícitas, indiscutíveis ou presumíveis, que dependendo da dimensão social, quanto ao impacto do tempo, fisicamente vivido na manutenção ou modificação do mundo que o precedera.

Póstuma por repercutir apenas após a contemporânea e passada existência, ela, não necessariamente anuncia ou postula sua continuidade. É só um registro, deferência, ou prova de que a jornada do homenageado vai ficar congelada por alguma breve fração de tempo, num futuro deverá ser retomada. A postumidade ou posteridade das obras do deferenciado, no caso do silogeu, não terminou, rigorosamente, pois quem homenageia jamais o retirará de seus registros e história. A homenagem no caso detém outro tipo de configuração. A principal característica do então homenageado em sessões solenes é a mesma que o acompanhou nesta fantástica usina filogenética. Não é apenas a vida real, concreta, da duração biológica, que enseja as homenagens, mas estas serão diametralmente proporcionais ao impacto deixado. Contudo, por mais que a ponderabilidade biográfica possa permitir avaliações diferenciadas, jamais determinará a exclusão dos panegíricos. Estes simbolizam a fusão entre criatura e criador, de tal magnitude, que sempre o biográfico perdurará.

Os homenageados desta tarde noite de 10 de julho de 2013, Francisco Thaumaturgo e Manoel Mesquita, adquiriram desde sua inscrição no tempo cronológico, ou não, mas desde sua eleição de ingresso e posse, merecendo ou não, a posteridade interminável, permanente. Ao seguir sua viagem natural, a cultural mais se evidencia e, dependendo de variáveis favoráveis, mais vivos ainda serão que suas próprias biografias. A bibliografia revestirá a outra bio, de um escudo protetor construído pelo cultivo maravilhoso da cultura, quanto ao reconhecimento de qualidades tangíveis, e, principalmente intangíveis adquiridas e desenvolvidas com habilidade e dedicação por esses membros portadores da imortalidade do espírito humano. Mesmo que as biografias, ou bibliografias estudadas, vierem a toldar ou relativizar, reciprocamente, sob a lupa de critérios filosóficos ou estéticos, uma à outra, os premiados portadores de cadeiras jamais as perderão. Ao contrário, além de ser quase impossível, e em matéria de criação imaginária o próprio quase confirma seu oposto, como homenagem permanente, pois o póstumo jamais existirá.

Por ironia, ou incongruente, que aparente, na verdade toda homenagem póstuma anula a próxima homenagem póstuma, por mais que a queiramos repetir no futuro. Passado, presente e futuro permanecem na memória da Academia Acreana de Letras, e cada geração de novos escritores ou leitores garantirá a ininterruptibilidade das linhas verticais e horizontais, das nominatas de patronos, fundadores e sucessores.

Contudo, confirmando a imortalidade especial do acadêmico das artes, e em especial, o da Academia Acreana de Letras, a cada Panegírico que realizamos, mais se consolida a vida. O que poderia ser apenas saudade ou submissão à falta de sentido ou de plausibilidade da existência, passa a ser a garantia de que não apenas o homenageado permanece em sua cadeira, mais vivo que nunca, ao receber na mesma ordem numérica, novo parceiro do imaginário poético que nos faz espécie única, mas não desconectada das demais. Ante, durante, sua efetividade, e depois, terá sempre o homenageado a sua merecida emulação. Na vida, discurso e obra de seu sucessor, em mais uma vaga da poltrona em que vai se transformando cada cadeira solitária da Academia Acreana de Letras.

Mas então, qual a necessidade da realização destes panegíricos? Eles amolecem os corações dos mais rebeldes, coloca mais um manto de consolo e gratidão dos personagens queridos de suas biografias, e provam a todos que a função da Academia não cumpre apenas demandas de vaidade, políticas ou busca de poder. Levam-nos a concluir que o espírito acadêmico pode ser vivido em cada uma de novas vidas, sendo nós mesmos os contos, romances, poemas e grandes clássicos da literatura universal. A arte do amor, da justiça e da verdade são as tintas com as quais cada ser humano escreve seus melhores trabalhos espirituais no humano, e o humano no espiritual.


NOTAA homenagem com panegíricos a Manoel Mesquita e Francisco Thaumaturgo ocorrerá neste 10 de julho, às 17 horas no Auditório da Assembleia Legislativa do Acre. A homenagem está aberta ao público.
Postar um comentário