sábado, 17 de setembro de 2016

O PASSEIO

A Aurora (1881) W.-A. Bouguereau
Guilherme de Almeida (1890-1969) 


Nós fomos, de manhã, pelos campos sadios.
Dos telhados vermelhos, fumos quase retos
subiam, como fios
do novelo da vida...

Ela ia toda ao vento,
desfolhando os seus olhos e os seus gestos
pelas paisagens límpidas.

E, dentro,
bem no fundo
de mim, brotou, como uma flor, um pensamento:
– Foi naquela manhã que Deus fez este mundo... 


ALMEIDA, Guilherme de. Encantamento, Acaso, Você: seguidos dos haicais completos. Campinas: Unicamp, 2002. p.89
Postar um comentário