sábado, 2 de novembro de 2013

CANTO PARA MINHA MORTE

“A morte, surda, caminha ao meu lado, eu não sei em que esquina ela vai me beijar”
“Quando sou, ela (a morte) não é, quando  ela é, então eu não sou”
Epicuro
Postar um comentário