domingo, 8 de dezembro de 2013

(PA)LAVRA

Aníbal Beça
Para Clodomir Monteiro

A palavra é o adereço
com que o poeta se enfeita
para o res-
caldo.

(A ferrugem e a alimária)

A escama que
                        re-descobre
                        re-veste
                        re-pensa
ferraduras de pangaré
chão de muito pisar
xerém de muito pilar.

Aí está a oficina inoxidável:
                                               retalho e rebotalho
                                               zuarte e seda
                                               ferrão de lacraia.

Como as osgas são o giz
descorando as paredes
e as pedras aborto de águas;
como o camaleão se despe
de franjas aveludadas
das asas de mil borboletas
paridas de um decamerão:
                                               musgoso
                                               verdoso
                                               limoso
Lápide de orgias
o muro se inscreve
no aprendizado supletivo
do crivo da luz:
                                   avena de caramujos
                                   centopéias alinhavadas
                                   pelas agulhas do sol
                                                              ária amarela
                                                           solitária partitura
                                                                de clave
                                                           clara e escura.


BEÇA, Aníbal. Banda da asa: poemas reunidos. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1998.
Postar um comentário