domingo, 8 de setembro de 2013

SER TÃO SERTÃO

Isaac Melo

                                                           A meus amigos baianos e maristas José Maria (SM),
                                                           Arnaldo(SM), Renivaldo (SM), Lauro (SM) e Xaxá

Memorial poético-sentimental do sertão baiano
Palmas de Monte Alto, Malhada e Sebastião Laranjeiras


No meu peito
mora a saudade
mora o luar
mora a felicidade
mora o pé de juá
mora o perdão
porque no meu peito
mora o sertão.
 
No meu peito
mora o mandacaru
mora a noite estrelada
mora o andu
mora a terra rachada
mora o “São João”
porque no meu peito
mora o sertão.

No meu peito
mora o vaqueiro
mora o congado
mora o pé de umbuzeiro
mora o reisado
mora a religião
porque no meu peito
mora o sertão.

No meu peito
mora a sina
mora a enxada
mora a festa do divino
mora a vaquejada
mora o folião
porque no meu peito
mora o sertão.

No meu peito
mora a paineira
mora o coco babaçu
mora a feira
mora o beiju
mora o lampião
porque no meu peito
mora o sertão.

No meu peito
mora o feijão de arranca
mora o alambique
mora a carranca
mora o xique-xique
mora a devoção
porque no meu peito
mora o sertão.

No meu peito
mora o cordel
mora a rendeira
mora o sarapatel
mora o santeiro
mora a tradição
porque no meu peito
mora o sertão.

No meu peito
mora a rapadura
mora o quilombola
mora a xilogravura
mora a viola
mora o gibão
porque no meu peito
mora o sertão.

No meu peito
mora a charrete
mora a cruz
mora o agreste
mora a luz
mora o peão
porque no meu peito
mora o sertão.
 
No meu peito
mora o tacho
mora a dança
mora o riacho
mora a esperança
mora a peregrinação
porque no meu peito
mora o sertão.
 
No meu peito
mora o sonho verde
mora a aroeira
mora a rede
mora a benzedeira
mora o requeijão
porque no meu peito
mora o sertão.

No meu peito
mora o repente
mora o licor
mora o aguardente
mora o amor
mora o pilão
porque no meu peito
mora o sertão.

No meu peito
mora o cancioneiro
mora a algaroba
mora o romeiro
mora a maniçoba
mora o torrão
porque no meu peito
mora o sertão.

No meu peito
mora a roça
mora a siriema
mora a carroça
mora a jurema
mora a gratidão
porque no meu peito
vibra o sertão.


* Imagens de arquivo pessoal.
Postar um comentário