sexta-feira, 12 de abril de 2013

A ÚLTIMA DAS CASTANHOLAS CRUZEIRENSES

Jairo Nolasco


No bucólico, personalíssimo e tradicional, bairro da Baixa (outrora Baixa da Égua) resta o último dos pés de castanholas urbanos. Ele fica na Joaquim Távora, antes da subida do Morro dos Quibes. 

Em uma postagem anterior prometi fazer uma ode ao sujeito árvore, a última da espécie urbanizada em Cruzeiro do Sul que ainda persiste em doar sombra aos transeuntes e a alguns moradores do bairro que vez ou outra vejo sentados num banco de madeira fixo na calçada, jogando conversa fora e bebericando uns aperitivos.

Desisti do sacrilégio quando soube que foi embaixo de um pé de castanhola (ou amendoeira) que Drummond conseguiu inspirar-se para compor uma parte dos seus modernos poemas e textos. Vá que exista um deus da poesia que se zangue das minhas labruscas linhas... melhor não arriscar. 

O que essa espécime de árvore tem de especial? Para virar notícia eu diria, nada! Veja se algum chefe de reportagem vá mandar se gastar tempo em se fazer uma matéria sobre o último pé de castanhola democrática da cidade? Seria loucura pura! 

Só mesmo um blogueiro lol da minha estirpe para perder tempo com isso, oras! É que me passa que essa árvore (não especificamente esta, mas as suas já extintas irmãs mais velhas) já foi muito importante na outrora urbanização da cidade. E serviu até de referência: 

_ Fica onde? 

_ Lá nas castanholas. 

_ O Posto de Saúde da Castanhola. 

_ O Mercadinho da Castanhola. 

_ Depois do segundo pé de castanhola, contando daqui pra lá. 

_ Foi encontrado morto embaixo do pé de castanhola, na entrada do bairro da Lagoa. 

_ Me espera aqui na castanhola, mas não olha para cima que mijo de cigarra cega. 

Deveras também que a castanhola não é nativa da região. É como todo o povo daqui, forasteira. Veio de longe, aqui fincou raiz, cresceu, reproduziu e como uma grande parte dos socialmente invisíveis, desapareceram as mais antigas sem deixar rastros. Marcas? Talvez.

Então, à última das castanholas urbanizadora, ali tão humilde, escondidinha, quase invisível, o meu apreço, o que não é assim lá grande coisa neste espaço tão raro de visitas. 

Quem sabe um dia um poeta não sente naquele banquinho de praça, próxima a tua pequena sombra e dane a escrever de verdade sobre a tua história, teus sonhos, ilusões e agora tua solidão em uma cidade que cresce, enquanto que sua gente, não. 

Quem sabe não te tornes centenária, teu caule tão grosso, como tua resistência, guarde na casca túmida várias marcas de encontros de quem já chegou e de quem, como este blogueiro lol que de ti fala, já partiu.
Postar um comentário