quinta-feira, 25 de abril de 2013

SARTRE LITERATO

Jean-Paul Sartre sempre me impressionou muito. Penso que a sua literatura alcançou uma excelência ainda mais forte que a sua filosofia. É claro que suas obras levam à filosofia, bem como à reflexão filosófica. Mas, o que mais me fascina no literato Sartre é o modo como ele opera a passagem do verbo enunciativo ao verbo poético. Seus textos são ricos em imagens e metáforas, e se aproximam mais do verso que da prosa; por exemplo, em “A Idade da Razão”, escreve ele: “uma grande flor roxa subia para o céu, era a noite”. Como fez saber Julio Cortázar: “há um estado de intuição para o qual a realidade, seja ela qual for, só pode ser formulada poeticamente”.

Mas, dessas imagens, uma que mais gosto está em “Com a morte na alma”, em que ele descreve a cena de um simples ato de amor de maneira tão formosa e tão pujante que parece transcender a própria realidade do ato em si e a própria angústia da existência. Eis o trecho:

<< Pinette deixara a mulher embaixo dele, esmagava-a de encontro à terra, fundia-a à terra, à relva hesitante. Ele mantinha a campina inteira sob o seu ventre; ela o chamava; ia deitar raízes nela pelo ventre, ela era água, mulher, espelho; refletia em toda a superfície o herói virgem das futuras batalhas, o macho, o soldado glorioso e vencedor; a Natureza ofegante, de costas, absolvia-o de todas as derrotas; murmurava: querido, venha, venha. Mas ele queria ser homem até o fim, apoiava-se ao solo com as palmas das mãos e seus braços encurtados pareciam asas, ele erguia a cabeça sobre aquela docilidade densa, queria ser admirado, refletido, desejado por baixo, na sombra, à revelia, negligenciar aquela glória que passava da terra ao corpo como um calor animal, emergir no vazio, na angústia, para pensar: “E depois?” A moça passou o braço no seu pescoço e puxou-o pela nuca. A cabeça mergulhou na glória e no amor, a campina encolheu-se. >> SARTRE, Jean-Paul. Com a morte na Alma [trad. Sérgio Milliet]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005. p.174

Além do mais, ler Sartre é travar uma batalha consigo mesmo.
Postar um comentário