terça-feira, 9 de abril de 2013

MIL ACRES

Do compositor e poeta Beto Brasiliense, nome de história na música acreana.

MIL ACRES
Beto Brasiliense

Em tantos mil hectares
milhares de acres
e a terra é de quem?

Vamos seguindo pro espaço vazio
com as matas queimadas
e as patas dos bois
na beira dos rios

Nas cabeceiras se fala
de tribos, índios arredios
que só se vê quando sonha
nas noites de frio

Estradas bem asfaltadas
arroz cor-de-rosa e leite azul
muita comida enlatada
e tudo que é útil, 1º de abril

Vamos andando pro espaço vazio
com as matas queimadas
e as patas dos bois
na beira dos rios

O pôr-do-sol multiplica
cores violentas: laranja e violeta
muita poeira e fumaça, anúncios do fim

Não tem segredo
não adianta ter medo
não adianta sair

acreditar em mil acres
na força dos fracos
ficar por aqui
 




* Letra captada in Cipó Digital.
Postar um comentário