segunda-feira, 3 de março de 2014

O DESESPERO DE PERDER-TE UM DIA

Rogel Samuel


SCHMIDT era meu vizinho, em Copacabana. Eu morava na mesma rua, a Paula Freitas, na época. Outro dia me ironizaram por ser vizinho de Clovis Bornay. As pessoas têm muito preconceito contra gays. Agora nada vão dizer. Schmidt era um grande poeta, e um grande empresário. Dono de supermecado (Disco, creio). Ele relatado como um homem bom, amigo dos amigos, dono de um galo branco.

Schmidt morava num grande apartamento, quase esquina de Av. Atlântica. Nasceu no Rio e morreu jovem no mesmo Rio de Janeiro em 1906-1965, trabalhou na década de 1920, como balconista na Livraria Garnier, no centro do Rio, foi caixeiro viajante de fabricante de aguardente e álcool.

Em 1931 fundou a editora Schmidt, que publicou obras importantes como Caetés, de Graciliano Ramos, e Casa Grande & Senzala, de Gilberto Freyre.

Ele era um poeta perfeito, magnífico, como se lê deste famoso:

Soneto

O desespero de perder-te um dia
Ou de vir a deixar-te neste mundo,
Habita o coração inquieto e triste
Enquanto a noite rola e o sono tarda.

Olho-te, e o teu mistério me penetra;
Sinto que estás vivendo o breve engano
Deste mundo, e que irás também, um dia,
Para onde foram essas de que vieste.

– Essas morenas e secretas musas,
Tuas avós, ciganas de olhos negros
Que te legaram tua graça triste.

Lembro que esfolharás na eterna noite
A rosa de teu corpo delicado,
E ouço a noite chorar como uma fonte.


SCHMIDT, Augusto Frederico. Antologia Poética. Seleção de Waldir Ribeiro do Val. Introdução de Bernardo Gersen. Rio de Janeiro: Leitura, 1962.

Eu já escrevi sobre a sua morte. Vou procurar e contar outra vez.

> Visite a página de Rogel Samuel aqui.
Postar um comentário