segunda-feira, 5 de maio de 2014

CANTO DE CIRCONCELIÃO

Humberto de Campos (1886-1934)


Viver só! Morrer só!... Na selva desta vida,
Doida árvore do Mal, sem que o orvalho me inunde,
Darei flor, mas, debalde outra árvore florida
Pedirá, junto a mim, pólen com que fecunde.

Levarei, pela Terra, esta vida de opróbrio.
No intenso batalhar da batalha em que luto,
Passarei, forte e só, de prazer sempre sóbrio,
Levando a maldição da figueira sem fruto!

Este sangue, que é meu, e carrego nas veias,
E foi, no mundo hostil, causa de mágoas tantas,
Jamais há de correr nas artérias alheias,
Que hei de, todo, deixá-lo às artérias das plantas.

Na Terra hei de passar sonhando e batalhando.
A ambição de procriar não me fere e consome.
Sentirei meu prazer se os homens virem dando
Os vermes no meu corpo e o olvido no meu nome.

Não fecundar! Morrer, sem deixar neste mundo,
Por vingança de mau, numa existência breve,
Uma prova, sequer, do meu gesto fecundo,
E um rebento qualquer onde a Angústia se ceve!

Qual o deus imortal que, a obrigar-me que adore
Sua obra, seu poder, seus éditos, influa
Para que eu, forte e deus, me ajoelhe e colabora
Na obediência da lei que a espécie perpetua?

Se Jesus, meu irmão, rola plácida e boa,
Estrela sem igual na doçura do brilho,
Jamais tentou procriar, por que é que amaldiçoa
O ventre da Mulher que não teve um só filho?

Que morram, pois, comigo, a minh’alma e o meu sangue;
Que a humana forma em mim se conclua e se extinga.
Sou humano, bem sei: e eis-me vencido e exangue;
Mas, devia ser deus... É assim que um deus se vinga!...


CAMPOS, Humberto de. Poesias Completas. São Paulo: Opus, 1983. p.279-280
Postar um comentário