segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

RIO AQUIRI

Isac de Melo

Tu vens de onde menino?
Venho do Rio Aquiri
Que estás fazendo aqui?
Venho em nome do destino
O que transportas no tino?
Uma breve previsão
O que tens em tua mão?
Um pequeno calendário
Que transformei no diário
Da minha poluição

Não disseste-me quem és!
Isso em nada importa
E nem bateste na porta
Cheguei na ponta dos pés!
Vens em nome de Moisés?
Trago uma intimação!
Queres minha opinião?
Quero o seu compromisso
Trabalhar em benefício
Da desintoxicação

Em que posso lhe servir?
Deve me obedecer
E o que devo fazer?
Por enquanto só me ouvir
Vou deixar de consumir?
Farás com moderação!
Devo cultivar o chão?
Rios e igarapés,
Córregos, praias, marés
Águas salgadas ou não...

Você já esteve em meu porto?
Já o contemplei bastante!
Eu sou um rio constante?
Eu já lhe vi quase morto!
Já tomou água de esgoto?
Eu acredito que não...
Não sabes de mim então!
Pois eu tomo toda hora
Faça alguma coisa agora
Pela minha proteção

Qual seria a solução?
Proteger minha nascente
Mas seria isso somente?
É evidente que não!
Jogar plástico no chão
Dejetos, animais mortos
Meus afluentes meus portos
Precisam ser preservados
Terei meus dias contados
Se andar por caminhos tortos...


ISAC DE MELO é poeta e músico popular acreano. Autor do livro “Urucum” (Clube de Autores, 2015). 
Postar um comentário