domingo, 27 de dezembro de 2015

UBADA DE UMBUZEIRO

Isac de Melo

Lá vem vindo a canoa pelo rio 
Silenciosa veloz e aprumada
Num voar sincronizado da remada
Do caboclo feroz e arredio
Vem suportando a carga por um fio
Num esforço sutil cada guerreiro
Faz o seu remo evitar o banzeiro
E as marolas se vão pro lado oposto
Posso ver na feição de cada rosto
Um indígena voraz e altaneiro

Logo atrás numa ubada de umbuzeiro 
Segue a prole de tanga e jamachim
Cuiatãn dá mamar pro curumim
E a vovó dá oasca pro escudeiro
Papagaios gargalham num paneiro
Mandioca pra fazer caxiri
Caititu capivara e jabuti
Peixe fresco pescado de arpão
Iambu de arapuca e alçapão
E bodó pra fazer piracui 

Eu não sei se eles vão se divertir 
Ou se estão se mudando de lugar
Nesse caso ao chegar ao novo lar
Haverá muita palha de jaci
Um cipó pra prender o tapiri
Muito enfeite com pena de mutum
Os guerreiros se pintam de urucum
Haverá ritual do curandeiro
Depois dançam pintados no terreiro
E o pajé abençoa cada um
Postar um comentário