terça-feira, 29 de outubro de 2013

CÂNTICO VI

João de Jesus Paes Loureiro


Quem comanda o rio ?
O mito ?
            A lei ?
                        A lenda ?
Onde perdeu-se o mapa,
o portulano ?
Em que meridiano, norte ou sul,
ou em que polo?
                        Amazônia
                        Amazônia
                                               Quem te ama ?
Quantas vezes, no tempo, o rio encheu-se,
e, quantas outras, vazou ?

O rio não tem consciência
de si mesmo,
no ermo de existir
                                   que é ser corrente.
O rio-em-si não é nem bom, nem mau.
É rio.
E sendo rio
                        inunda e seca,
pois inundar e secar
é o ser do rio
e sua incons/ciência de si mesmo.
A notícia ovula-se poema,
e nem se quer
ou canto
                        ou melopéia.
Quer olhar e dar voz ao que se mostra,
mais que real aqui, agora e sempre...
Mas Tirésias atônito pergunta
aos pálidos pajés sobreviventes:
– “Se o rio nada sabe de si mesmo,
     quem saberá do rio e de seus homens ?”


LOUREIRO, João de Jesus Paes. Porantim (poemas amazônicos). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. p.37-38

> João de Jesus Paes Loureiro é um dos principais poetas da Amazônia. Nasceu em Abaetetuba, no Estado do Pará. Professor de Estética, História da Arte e Cultura Amazônica, na Universidade Federal do Pará. Mestre em Teoria da Literatura e Semiótica (PUC/UNICAMP) e Doutor em Sociologia da Cultura pela Sorbonne, Paris, França.
Postar um comentário